Publicidade

Correio Braziliense

Homem tem predisposição genética para ter animais de estimação, diz estudo

Resultado abre a possibilidade de novos estudos sobre os benefícios dessa antiga parceria


postado em 26/05/2019 07:00

(foto: Editoria de Arte/CB/DA. Press)
(foto: Editoria de Arte/CB/DA. Press)
Ter um cão é uma decisão que exige grande responsabilidade. Alimentação, espaço e tempo de dedicação são alguns dos requisitos necessários para quem quer ser  tutor de cachorro. Mas, além desses fatores externos, a genética pode ser um elemento capaz de influenciar essa decisão, segundo cientistas suecos. Ao pesquisar cerca de 30 mil pares de gêmeos, eles concluíram que mais da metade da variação genética de um indivíduo pode motivar a escolha de ter um animal de estimação.

Como os cães foram o primeiro animal domesticado por humanos, a equipe resolveu analisar se essa parceria por vezes tão  afinada seria uma espécie de herança genética. “Nossa pesquisa anterior mostrou que os donos de cães vivem mais, e eu estava curiosa para saber se as pessoas que pegam um cachorro para criar já são ‘diferentes’ antes mesmo de conseguir o animal”, conta ao Correio Tove Fall, principal autora do estudo e professora da Universidade de Uppsala, na Suécia.

A pesquisadora relata que o seu trabalho diário também a motivou a conduzir a investigação científica. “Como veterinária, tenho notado como as atitudes dos donos são diferentes em relação aos animais de estimação. Existem várias teorias sobre como a adaptação genética ajuda a manter alguns animais em contato direto conosco, mas essa foi a primeira evidência quantitativa que apoiou essas teorias”, diz.

A equipe de Fall comparou a composição genética de 35.035 pares de gêmeos usando o Registro Sueco de Gêmeos (o maior do gênero no mundo) com a posse de cães. Estudar gêmeos é um método bem conhecido para desvendar as influências do ambiente e dos genes na biologia e no comportamento humanos, já que esses indivíduos idênticos compartilham o genoma inteiro e os não idênticos têm em comum, em média, metade da variação genética. Dessa forma, é possível realizar análises comparativas confiáveis.

Os pesquisadores descobriram que as taxas de concordância da posse de cães são muito maiores em gêmeos idênticos do que em não idênticos — o que sustenta a visão de que a genética realmente desempenha um papel importante na escolha de ter um cão, segundo Tove Fall. “Ficamos surpresos ao ver que a composição genética de uma pessoa parece ter uma influência significativa no fato de ter um cachorro. Talvez, alguns indivíduos tenham uma propensão inata maior para cuidar de um animal de estimação do que outros.”, cogita a cientista.

Fabrício R. Santos, biólogo e professor de genética e de evolução da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), destaca que a pesquisa sueca traz dados bastante ricos e de grande ajuda para a compreensão quanto à posse de cães. Segundo o especialista, o trabalho está em concordância com outros sobre o mesmo tema. “É um estudo incrível, com uma grande amostragem, e fornece uma evidência muito interessante sobre a existência de genes relacionados ao comportamento de criação de cachorros em humanos”, frisa.

O especialista acredita que seja possível fazer inferências a partir dessa constatação genética. “Provavelmente, esses genes têm a ver com outras características, como empatia, caridade e solidariedade, porque, há tempos, outros estudos apontam que pessoas que respeitam e gostam de animais, inclusive os selvagens, também têm maior respeito pela vida humana”, justifica.

Edgar Bione, professor do Departamento de Áreas Básicas e Biológicas da Universidade de Brasília (UnB), também destaca a relevância dos dados da equipe sueca, mas lembra que fatores além da genética precisam ser levados em consideração na análise do tema abordado. “Não podemos ligar o comportamento apenas a informações do DNA, pois temos também outros fatores do meio que influenciam, que definimos como evolução cultural e estão dentro desse comportamento genético. Ou seja, esses dados evolutivos são importantes e são o pontapé inicial da pesquisa, mas não podemos nos limitar a eles. Precisamos ir além”, defende.

Novos passos

Para os autores do estudo, as informações obtidas podem contribuir para uma melhor compreensão da interação entre cão e homem ao longo da história e, embora os cachorros e outros animais de estimação sejam comuns em todo o mundo, ainda se sabe pouco sobre como eles afetam a vida diária dos seus tutores e seu bem-estar. “Os resultados sugerem supostos benefícios para a saúde relacionados a ter um cão, uma questão já relatada em outros estudos. Agora, isso pode ser parcialmente explicado por diferenças genéticas”, diz Tove Fall.

A cientista explica que, com a pesquisa, não se pode dizer quais genes estão envolvidos no apreço por cães. Ainda assim, é a primeira vez que se demonstra que genética e ambiente desempenham papéis iguais na determinação da posse de cães. “O próximo passo óbvio será tentar identificar quais variantes genéticas afetam esse gene”, adianta. “Por meio desses dados, também poderemos entender melhor fatores como traços de personalidade e alergia, entre outros”, complementa Patrik Magnusson, coautor do estudo e pesquisador do Instituto de Pesquisa Karolinska, na Suécia.
 
Segundo Fabrício R. Santos, a pesquisa é um estudo básico de associação, com uma grande amostragem e boa estatística. Por isso, seus desdobramentos podem ser promissores. “Quando realmente soubermos como o cérebro funciona nos níveis celular e molecular, como são a memória, o raciocínio e a cognição, teremos uma ideia mais clara de qual a real importância dos genes no comportamento, inclusive na adoção de animais de companhia e no respeito pelos domésticos e selvagens”, diz o biólogo brasileiro.

Para saber mais

Aliados da saúde

Pesquisas têm demonstrado uma série de benefícios gerados pela relação entre animais de estimação e seres humanos, principalmente os cachorros. Um estudo feito na Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, revela que os animais conseguem reduzir o estresse dos tutores, o que faz deles um ótimo artifício para combater distúrbios psicológicos, como a depressão.

Há especialistas da área médica que acreditam que ter um cachorro pode ajudar no emagrecimento, na medida que o animal geralmente faz com que o seu tutor seja mais ativo. Já cientistas da Universidade de Wisconsin-Madison, também nos Estados Unidos, mostraram que ter qualquer tipo de animal de estimação pode ajudar a reduzir as chances de alergias de crianças. Isso porque o contato com os bichanos fortalece o sistema imunológico.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade