Publicidade

Correio Braziliense

Estudo: viver situações discriminatórias impacta no funcionamento do corpo

Vítimas são mais suscetíveis ao tabagismo e à inflamação crônica, que pode levar a câncer e ataque cardíaco


postado em 07/07/2019 08:00

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
Os danos provocados pelo preconceito são incontáveis. A violência e a vergonha enfrentadas por quem é discriminado têm impacto na saúde mental. E novos estudos revelam que essas experiências afetam também aspectos fisiológicos. Pesquisadores dos Estados Unidos mostram que afro-americanos têm mais chances de sofrer com infecções devido a altas taxas inflamatórias, causadas por se sentirem ameaçados. Segundo uma equipe britânica, jovens que sofrem racismo são mais propensos a fumar. Para especialistas, os dados reforçam a necessidade de mudar os olhares sobre pessoas marginalizadas e de melhor preparar especialistas para dar assistência às vítimas.

“Sabíamos que a discriminação estava ligada à saúde, mas não os mecanismos envolvidos”, diz April Thames, professora-associada de psicologia e psiquiatria da Faculdade de Letras, Artes e Ciências da Universidade da Califórnia (EUA). Ela tem estudado o aumento de respostas inflamatórias em pessoas de grupos isolados socialmente. “Já vimos isso antes em solidão crônica, pobreza, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e outros tipos de adversidade. Até agora, porém, ninguém havia olhado para os efeitos da discriminação”, complementa.

A resposta inflamatória está relacionada à capacidade do organismo de responder a infecções, tensões e lesões, na tentativa de afastá-las e recuperar áreas afetadas. Um grupo seleto de genes é a chave para que esse mecanismo de defesa funcione. Dessa forma, considera-se a inflamação um sinal de que esses genes estão trabalhando corretamente. Em excesso, porém, ela pode ser danosa. “Se uma pessoa se sentir ameaçada por longo período de tempo, a saúde dela pode sofrer significativamente com a inflamação crônica”, detalha April Thames.

No estudo mais recente sobre o efeito fisiológico da discriminação, ela e a equipe analisaram 71 indivíduos, sendo dois terços afro-americanos e o restante, brancos. Além disso, 38 dos participantes eram positivos para o HIV. Segundo os pesquisadores, a participação de soropositivos permitiu o estudo do racismo independentemente de efeitos de doenças sobre a imunidade.

Para as análises, foram extraídos o RNA de amostras celulares dos voluntários. Depois, os cientistas mediram as moléculas que desencadeiam a inflamação, bem como as envolvidas em respostas antivirais. Os investigadores encontraram níveis mais altos de moléculas inflamatórias em participantes afro-americanos. Os resultados também indicam que o racismo pode representar até 50% da inflamação aumentada nesses indivíduos, incluindo os também soropositivos.

“Se esses genes permanecem ativos por um período prolongado de tempo, isso pode promover ataques cardíacos, doenças neurodegenerativas e câncer metastático”, ressalta Steve Cole, pesquisador da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, e um dos autores do estudo, divulgado, em abril, na revista especializada Psychoneuroendocrinology. 


Pobreza


A fim de dar mais validade à pesquisa, a equipe escolheu participantes com antecedentes socioeconômicos semelhantes, o que eliminou da análise a pobreza como fator potencial para a inflamação crônica. “A discriminação racial é um estressor crônico diferente da pobreza. As pessoas sofrem com a pobreza no dia a dia e estão cientes de que isso está acontecendo. Elas podem até serem capazes de lidar com estressores financeiros por meio de mudanças de emprego ou na gestão financeira, por exemplo. Mas, com a discriminação, você nem sempre percebe o que está acontecendo”, frisa April Thames.

A pesquisadora também ressalta que as decisões ou o estilo de vida de um indivíduo podem reduzir os efeitos nocivos de alguns estressores. No caso da discriminação racial, porém, se trata de um estressor crônico, sobre o qual as pessoas não têm controle. “Você não pode mudar a sua cor de pele”, ilustra.

Segundo João Armando, psiquiatra do Instituto Castro e Santos, em Brasília, a pesquisa americana traz dados importantes, que reforçam a ideia de que as minorias estão mais suscetíveis a danos à saúde. “Já sabemos que o estresse e a baixa qualidade de vida são fatores que estão relacionados à inflamação crônica. Sabemos também o grande impacto causado pelo racismo. É algo que não temos como ignorar, tanto que a pesquisa mostra que esse impacto em pessoas saudáveis é semelhante ao em pacientes com HIV, que já têm a imunidade comprometida”, afirma.
O médico ilustra outras complicações à saúde que podem ser desencadeadas após uma pessoa vivenciar atitudes discriminatórias. “Imagine alguém que já tem uma saúde debilitada por outros motivos e sofre esses traumas. Junto aos negros, acredito que podemos citar outros grupos que sofrem com o mesmo tipo de problemas, como os homossexuais.”


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade