Ciência e Saúde

Substância do vinho pode amenizar gravidade e garantir viagem a Marte

Também presente na uva, o resveratrol tem potencial para amenizar os efeitos da gravidade em solo marciano, cuja atração é equivalente a 40% à da Terra. Em simulação, o suplemento preserva a força e a massa muscular das patas de roedores

Paloma Oliveto
postado em 24/07/2019 06:00
Exercícios na Estação Espacial Internacional ajudam astronauta a lidar com situações adversas e se preparar para missões mais longas  -  (foto: AFP )
Exercícios na Estação Espacial Internacional ajudam astronauta a lidar com situações adversas e se preparar para missões mais longas - (foto: AFP )
Exercícios na Estação Espacial Internacional ajudam astronauta a lidar com situações adversas e se preparar para missões mais longas

O Planeta Vermelho nunca esteve tão próximo da Terra. A Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) pretende enviar homens a Marte depois da próxima missão à Lua, prevista para chegar ao satélite em 2024. Com a tecnologia existente hoje, seriam necessários apenas nove meses para uma viagem dos terráqueos ao solo marciano. Por isso, pesquisadores estudam estratégias que garantam o bem-estar dos astronautas em um ambiente tão diferente. Uma delas é uma substância encontrada no vinho, segundo cientistas da Universidade de Harvard.

Trata-se da molécula resveratrol, presente na uva e nas bebidas à base dela, já conhecida por diversos benefícios por ter ação antioxidante. Agora, o estudo, publicado na revista Frontiers in Physiology, demostra que a substância preserva substancialmente a massa muscular e a força em ratos expostos aos efeitos devastadores da gravidade simulada de Marte.

Sem o desafio da gravidade, os músculos e ossos enfraquecem no espaço. Os de sustentação do peso, como os da panturrilha, são os primeiros a serem atingidos, e de forma mais grave. ;Depois de apenas três semanas no espaço, o músculo sóleo (que fica entre a panturrilha e o tendão de aquiles) encolhe em um terço;, diz Marie Mortreux, principal autora do estudo, financiado pela Nasa, e pesquisadora no Laboratório Seward Rutkove, na Escola de Medicina de Harvard. ;Isso é acompanhado por uma perda de fibras musculares de contração lenta, que são necessárias para a resistência;, conta.

Para permitir que os astronautas operem com segurança em longas missões a Marte, cuja atração gravitacional é de apenas 40% em relação à da Terra, medidas de mitigação serão necessárias. ;As estratégias dietéticas podem ser fundamentais;, frisa Mortreux. ;Especialmente porque os astronautas que viajarão para Marte não terão acesso ao tipo de máquinas de exercícios existentes na Estação Espacial Internacional.;

Entre os suplementos alimentares, um forte candidato é o resveratrol. O composto comumente encontrado na casca da uva e dos mirtilos tem sido bastante estudado por seus efeitos anti-inflamatórios, antioxidantes e antidiabéticos. ;Essa substância tem sido estudada extensivamente por seus benefícios à saúde. E também já se mostrou que ele preserva os ossos e a musculatura. Porém, não havia pesquisas a respeito de seu efeito no sistema musculoesquelético na gravidade parcial;, explicou, em nota, Sweard B. Rutkove, chefe da Divisão de Doenças Neuromusculares do Centro Médico Diaconisa Beth Israel, e coautor do estudo.

No experimento, feito com ratos, a molécula preservou a massa óssea dos animais, submetidos a uma situação análoga à da microgravidade durante os voos espaciais. ;Portanto, supomos que uma dose diária moderada ajudaria a mitigar o descondicionamento muscular em um análogo da gravidade de Marte também.;


Panturrilhas

Para imitar a gravidade marciana, os pesquisadores usaram uma abordagem primeiramente desenvolvida em ratos por Marie Bouxsein, também pesquisadora de Harvard. Os roedores foram equipados com um cinto de segurança e suspensos por uma corrente do teto da gaiola. Vinte e quatro machos foram expostos à carga normal (Terra) ou 40% de carga (Marte) por 14 dias. Em cada grupo, metade recebeu resveratrol (150 mg/kg/dia) na água; os outros só tomaram água.

A circunferência da panturrilha e a força de preensão da pata dianteira e traseira foram medidas semanalmente e, aos 14 dias, os músculos da panturrilha foram analisados. Como esperado, a condição análoga à de Marte enfraqueceu a força dos ratos e reduziu a circunferência da panturrilha, o peso muscular e o conteúdo de fibra de contração lenta. Porém, a suplementação de resveratrol quase que totalmente resgatou a força das patas dianteira e traseira nos animais, que apresentaram o mesmo nível muscular dos ratos em gravidade normal, não suplementados.

Além disso, o resveratrol protegeu 100% a massa dos músculos sóleo e gastrocnêmio dos ;ratos de Marte; e, em particular, reduziu a perda de fibras musculares de contração lenta. A proteção, porém, não foi completa: o suplemento não conseguiu recuperar inteiramente a área seccional média das fibras dos dois músculos nem a circunferência da panturrilha.

;Mais estudos são necessários para explorar os mecanismos envolvidos, bem como os efeitos de diferentes doses de resveratrol (até 700mg/kg/dia) em machos e fêmeas;, diz Mortreux. ;Além disso, será importante confirmar a falta de interações potencialmente perigosas do resveratrol com outras drogas administradas a astronautas durante missões espaciais;, alerta. Segundo a pesquisadora, o laboratório também estuda se ameixas secas, fontes antioxidantes, promovem o mesmo efeito.

;Depois de apenas três semanas no espaço, o músculo sóleo (que fica entre a panturrilha e o tendão de aquiles) encolhe em um terço (;) Supomos que uma dose diária moderada ajudaria a mitigar o descondicionamento muscular;

Marie Mortreux, pesquisadora da Escola de Medicina de Harvard e principal autora do estudo

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação