Publicidade

Correio Braziliense

Cientistas da USP criam "minifígado" em impressora 3D

Pesquisadores da USP criaram um minifígado em impressora 3D utilizando amostras de células sanguíneas humanas


postado em 22/11/2019 11:30 / atualizado em 22/11/2019 13:04

Pesquisadores utilizaram diferentes técnicas de bioengenharia com impressão 3D(foto: Divulgação/Agência Fapesp)
Pesquisadores utilizaram diferentes técnicas de bioengenharia com impressão 3D (foto: Divulgação/Agência Fapesp)
Cientistas da Universidade de São Paulo (USP) criaram um minifígado em impressora 3D usando amostras de células sanguíneas humanas. Ele é capaz de desenvolver as mesmas funções do órgão real: sintetizarm proteínas, armazenam e secretam substâncias exclusivas do órgão, como a albina (célula que produz melanina). 

Para poder fazer a criação do fígado, os cientistas do Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) utilizaram diferentes técnicas de bioengenharia com impressão 3D para poder permitir que o tecido criado mantivesse suas funções hepáticas por mais tempo do que as feitas anteriormente. 
 
 
 
Mayana Zatz, coordenadora do CEGH-CEL e coautora do artigo publicado na revista Biofabrication, explica que ainda falta algumas etapas. "Ainda existem etapas a serem alcançadas até obtermos um órgão completo, mas estamos em um caminho muito promissor. É possível que, em um futuro próximo, em vez de esperar por um transplante de órgão, seja possível pegar a célula da própria pessoa e reprogramá-la para construir um novo fígado em laboratório. Outra vantagem importante é que, como são células do próprio paciente, a chance de rejeição seria, em teoria, zero,” afirmou. 

O diferencial do desenvolvimento do metódo é incluir as células na biotinta, usado para formar o tecido durante a impressão. “Em vez de imprimir células individualizadas, desenvolvemos uma maneira de agrupá-las antes da impressão. São esses ‘gruminhos’ de células, ou esferoides, que constituem o tecido e mantêm a sua funcionalidade por muito mais tempo,” disse Ernesto Goulart, pós-doutorando do Instituto de Biociências da USP e primeiro autor do artigo.

Fazendo desta forma, evitou-se um problema muito comum em bioimpressão de tecidos humanos: a perda lenta do contato entre as células, não afetando a funcionalidade do tecido. 

Em apenas alguns minutos, a impressão do órgão foi feita. Após essa etapa, foram 18 dias de maturação. Todo o processo da criação do minifígado 3D, desde a coleta do sangue até ageração do tecido funcional durou 90 dias.



*Estagiária supervisionada por Lorena Pacheco 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade