Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus: estudo aponta que 30 metrópoles estão em risco de contágio

Modelos matemáticos apontam países e cidades onde é maior a chance de disseminação global do novo coronavírus originário da China. Também com base em cálculos, epidemiologistas afirmam que a epidemia deve continuar pelo menos até meados do ano


postado em 29/01/2020 06:00 / atualizado em 29/01/2020 00:19

Equipe desinfecta avião da Thai Airways em Bangcoc: a cidade é a mais vulnerável à disseminação do novo coronavírus, fora da China, diz estudo(foto: Handout/AFP)
Equipe desinfecta avião da Thai Airways em Bangcoc: a cidade é a mais vulnerável à disseminação do novo coronavírus, fora da China, diz estudo (foto: Handout/AFP)
Enquanto surgem os primeiros casos de pessoas que contraíram o 2019-nCoV fora da China, cientistas alertam que a epidemia pode durar meses, com risco elevado — ao menos por enquanto — para 30 grandes cidades de vários países, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira (28/1) pela Universidade de Southampton, no Reino Unido. Nenhuma região brasileira aparece no mapeamento elaborado pela equipe WorldPop da instituição, especializada em levantamentos populacionais.

Com base no número de viajantes aéreos que se espera chegar das províncias mais afetadas da China continental, os pesquisadores calculam que Bangcoc, na Tailândia, é atualmente a cidade onde há maior chance de disseminação global do vírus. A lista continua com Hong Kong (China), seguida por Taipei (Taiwan, República da China). Sydney (12), Nova York (16) e Londres (19) estão entre outras 30 cidades internacionais classificadas na pesquisa.

Os países ou as regiões em maior risco são Tailândia (1º), Japão (2º) e Hong Kong (3º). Os Estados Unidos estão em sexto lugar, a Austrália, em 10º, e o Reino Unido, na 17ª posição. Os países da América Latina não aparecem no rol da Universidade de Southampton. Muitos países preparam a repatriação de seus cidadãos.

“É vital que entendamos os padrões de movimento populacional, tanto na China quanto no mundo, para avaliar como esse novo vírus pode se espalhar, tanto no mercado interno quanto internacionalmente. Ao mapear essas tendências e identificar áreas de alto risco, podemos ajudar a pautar intervenções de saúde pública, como exames e campanhas”, explica Andrew Tatem, diretor da WorldPop e professor de Geografia e Ciências Ambientais da instituição.

A equipe usou dados anônimos de telefone celular e endereço IP, além de dados de viagens aéreas internacionais, para entender os padrões típicos de movimento de pessoas na China e no mundo todo, durante as celebrações do ano-novo chinês, que duram 40 dias. A partir disso, os pesquisadores identificaram 18 cidades chinesas (incluindo Wuhan, o epicentro da epidemia) com alto risco de contágio pelo novo coronavírus e estabeleceram o volume de passageiros aéreos que provavelmente viajariam dessas cidades para destinos globais durante um período de três meses.

Evolução

Os pesquisadores reconhecem que a análise é baseada em padrões de viagem quando não há surtos, mas destacam que uma alta proporção de pessoas viajou com sintomas em um estágio inicial da epidemia, antes que as restrições fossem colocadas em prática. De fato, é provável que os cordões de viagem coincidam apenas com os últimos estágios dos números máximos da população que deixa Wuhan durante o período de férias. Segundo as autoridades de Wuhan, é provável que mais de 5 milhões de pessoas já tenham deixado a cidade. “A disseminação do novo coronavírus é uma situação em rápida evolução, e estamos monitorando de perto a epidemia, a fim de fornecer análises mais atualizadas sobre a possível propagação, incluindo a eficácia do bloqueio de transporte nas cidades chinesas e a transmissão por pessoas que retornam do feriado do ano-novo Lunar, que foi prorrogado até 2 de fevereiro”, assinala o principal autor do relatório, Shengjie Lai.

Também com modelos matemáticos, especialistas em epidemiologia calculam que o surto de 2019-nCoV deve durar por muitos meses. “Não é algo que vai acabar na próxima semana, ou no próximo mês”, afirma Alessandro Vespignani, professor da Northeastern University e integrante de um grupo de pesquisadores que administra um painel on-line sobre o surto. “O melhor cenário será que continue na primavera, no verão (do Hemisfério Norte) e depois se esvaeça”, diz David Fisman, professor da Universidade de Toronto que escreveu uma análise do vírus para a Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas.

“Sem pânico” 

Nos últimos dias, especialistas calcularam um parâmetro importante para qualquer surto: o número básico de reprodução, ou R0. Isso representa quantas pessoas sofreram contágio para cada paciente infectado. As estimativas variam de 1,4 a 3,8, segundo Fisman — considerados moderados. “Por si só, não é motivo de pânico”, diz Maimuna Majumder, pesquisadora da Universidade de Harvard e do Hospital Infantil de Boston.

Ela explica que a taxa é de 1,3 para a gripe sazonal (que causa milhões de casos por ano) e entre 2 e 5 para a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), que resultou em 8 mil casos e 774 mortes, principalmente na China continental e Hong Kong em 2002-2003. Em comparação, a taxa de sarampo varia de 12 a 18.

Quarentena e medidas de isolamento, lavagem sistemática das mãos e uso de máscaras podem ajudar a reduzir o número médio de pessoas infectadas. Se a taxa cair abaixo de um, a epidemia será extinta. Mas os efeitos das medidas de controle implementadas pela China não surtirão efeito em uma ou duas semanas, dizem os pesquisadores, com base no ciclo do vírus.“Quanto mais aprendemos sobre ele, mais ele se parece com o Sars”, diz Fisman. “O Sars era controlável, espero que esse vírus também seja. Mas não saberemos por mais algumas semanas”, acrescenta.

O número oficial de casos é de 4,5 mil na China, com 131 mortos. Cinquenta pacientes de outros países foram infectados e há mais de 10 nações afetadas na Ásia, na Austrália, na Europa e na América do Norte. A Alemanha, segundo país europeu a registrar um paciente, depois da França, informou nesta terça-feira (28/1) o primeiro contágio entre humanos no Velho Continente: um homem que teve contato com uma colega chinesa que visitou o país. O Japão também anunciou um caso de coronavírus em seu território, um homem de 60 anos. Ele não viajou à China, mas transportou turistas de Wuhan em um ônibus.

Colaboração

Nesta terça-feira (28/1), a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, em nota, que Pequim concordou em receber a visita de especialistas internacionais “o mais rápido possível” para trabalhar com colegas chineses na compreensão do surto. O diretor-geral da agência das Nações Unidas, Tedros Adhanom Ghebreyesus, esteve com o presidente Xi Jinping, na capital chinesa. Segundo o comunicado, a “Comissão Nacional de Saúde apresentou as fortes capacidades e recursos de saúde pública da China para responder e gerenciar surtos de doenças respiratórias”

“Interromper a propagação desse vírus na China e no mundo é a maior prioridade da OMS”, frisa Tedros. A organização reconhece que ainda há muito a se entender sobre o 2019-nCoV. “A fonte do surto e a extensão em que ele se espalhou na China ainda não são conhecidas. Embora o entendimento atual da doença permaneça limitado, a maioria dos casos relatados até o momento foi mais branda, com cerca de 20% dos infectados experimentando doenças graves”, ressalta o texto.

Embora pouco se saiba sobre o vírus, o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH) divulgou que autoridades de saúde do país tentam desenvolver uma imunização contra o coronavírus. “Nós já começamos no NIH e com muitos de nossos colaboradores o desenvolvimento de uma vacina”, declarou Anthony Fauci, pesquisador do instituto. “O processo é longo e incerto, mas estamos procedendo como se tivéssemos que criá-la.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade