Ciência e Saúde

Tráfico de animais favorece o surgimento de pandemias, alerta ONU

Alerta é feito pela ONU em relatório mundial sobre crimes ligados à vida selvagem. Espécies retiradas sem controle do seu habitat aumentam o risco de transmissão de doenças cujo patógeno é passado de bichos para humanos, como a covid-19

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 11/07/2020 07:00
Apontado como possível vetor do Sars-CoV-2, o pangolim é o mamífero selvagem mais traficado no mundo entre 2014 e 2018Crimes ligados à vida selvagem, como o caso das cobras exóticas encontradas, nesta semana, em Brasília, e o tráfico de animais, além de ameaçarem a biodiversidade do planeta, aumentam o risco de surgimento de novas pandemias. O alerta faz parte de um relatório divulgado ontem pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Segundo o documento, quando animais selvagens são retirados do habitat, aumenta-se o risco de transmissão de doenças zoonóticas, causadas por patógenos que são passados aos humanos pelos bichos, como a covid-19. Esse tipo de enfermidade representa até 75% das doenças infecciosas emergentes, estima o UNODC.

Um dos fatores que impulsionam essas doenças é a falta de controle higiênico e sanitário das carnes e de outras partes dos animais vendidas ilegalmente. ;Sem a interferência humana do desmatamento, da captura, do abate, do tráfico e do consumo de animais selvagens, a evolução e a transmissão do coronavírus seriam altamente improváveis;, enfatiza o documento.

Identificado como um possível vetor do Sars-CoV-2, os pangolins são os mamíferos selvagens mais traficados no mundo, de acordo com o relatório. As apreensões de escamas desses animais aumentou 10 vezes entre 2014 e 2018. Elas são altamente valorizadas na medicina tradicional chinesa, embora os cientistas afirmem não existir comprovação de efeitos terapêuticos. Devido à possível relação com a transmissão do vírus, no mês passado, o governo chinês removeu o pangolim da lista oficial de ingredientes para remédios tradicionais.

Também atento a essas práticas populares, o UNODC acredita que a atual pandemia pode levar ao aumento do comércio ilegal de produtos derivados da fauna e da flora que têm sido considerados ;remédios naturais; contra o coronavírus. O relatório destaca a bile de urso. Em março, a Comissão Nacional de Saúde da China foi bastante criticada internacionalmente após divulgar quais tratamentos seriam permitidos para combater o avanço do Sars-CoV-2. Injeções contendo pó de bile de urso fazem parte da lista.

Redes diversificadas


O relatório do UNODC tem como base registros de quase 180 mil apreensões realizadas em 149 países e territórios. Quase 6 mil espécies foram capturadas entre 1999 e 2019, entre mamíferos, répteis, corais, pássaros e peixes. Nenhuma espécie é responsável por mais de 5% das apreensões e nenhum país foi identificado como fonte de mais de 9% do número total de apreensões, o que sinaliza, segundo o órgão, que as redes criminosas diversificaram os recursos explorados.

Nesse sentido, o comércio ilegal de marfim africano e de chifre de rinoceronte está ;em declínio;. Por outro lado, a demanda por madeira de lei tropical, como o jacarandá, cresceu significativamente. Segundo o UNODC, atualmente, os principais mercados dos crimes contra a vida selvagem são o de jacarandá, marfim, chifre de rinoceronte, escamas de pangolim, répteis vivos, grandes felinos e enguia europeia.

Origem em morcegos

Análises feitas no Instituto de Virologia de Wuhan, cidade no centro da China apontada como o local em que a pandemia eclodiu, mostram que a sequência do genoma do Sars-CoV-2 é 96% semelhante ao de um coronavírus de morcegos. Dessa forma, são fortes os indícios de que o causador da covid-19 nasceu em um morcego e passou por outras espécies antes de chegar ao homem. Essa peça intermediária, porém, falta no quebra-cabeça que tem sido montado por cientistas.

Rumo à China

Um epidemiologista e um especialista em saúde animal da Organização Mundial da Saúde (OMS) estão indo para a China para uma missão que visa preparar o caminho para determinar a origem do novo coronavírus, informou, ontem, a agência das Nações Unidas. Uma das grandes questões que a equipe tenta responder em quais animais o vírus passou até chegar aos humanos. ;Sabemos que o coronavírus é muito parecido com o vírus presente nos morcegos, mas passou por um animal intermediário? É uma pergunta que precisamos responder;, afirma Margaret Harris, porta-voz da agência.

Alerta no Cazaquistão


Um novo vírus com índice de mortalidade superior ao causador da atual pandemia estaria circulando no Cazaquistão, segundo o governo chinês. A embaixada chinesa em Nur-Sultan, capital do país, enviou, na quinta-feira, uma mensagem a seus cidadãos alertando sobre a existência de um organismo com ;índice de mortalidade de longe superior à covid-19;. De acordo com o texto, o micro-organismo teria causado 1.772 mortes nos seis primeiros meses deste ano, sendo ;628 apenas em junho;. Três regiões do Cazaquistão estariam afetadas pelo vírus, que teria provocado a morte de cidadãos chineses.

O Cazaquistão, porém, nega os casos. Em nota, sem fazer referência ao comunicado do governo chinês, o Ministério cazaque da Saúde afirma que afirmações ;da mídia chinesa não correspondem à realidade;. O órgão menciona a existência de pacientes classificados como afetados por pneumonia, e não pelo novo coronavírus, já que os testes para a covid-19 deram negativo. Até a última sexta-feira, o país havia registrado 57.747 casos e 264 mortes, mas, como seus vizinhos da Ásia Central, é acusado por observadores e organizações não governamentais (ONGs) de minimizar a dimensão da pandemia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que ;monitora; a situação no Cazaquistão e ;está trabalhando com as autoridades no terreno para investigar; as suspeitas. ;Acreditamos que muitos desses casos serão diagnosticados como covid-19, mas mantemos a mente aberta;, disse Michael Ryan, chefe de emergências de saúde da agência das Nações Unidas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação