Publicidade

Correio Braziliense STARTUPS

Democratizar acesso a conteúdos educativos na área da saúde é a proposta de startup brasiliense

Science Play nasce em Brasília para elevar nível de conhecimento e manter profissionais atualizados sobre novidades e tendências de nutrição, medicina e treinamento


postado em 27/12/2018 18:56 / atualizado em 21/01/2019 20:26

Texto: Luana G. Silveira
Edição: Camila de Magalhães

Surgimos da escassez do mercado de eventos. Além do custo financeiro, existe a questão de o profissional precisar desmarcar agenda, perder tempo em aeroporto, o que gera uma situação bem onerosa, explica sócio Patrick Martins(foto: Arquivo pessoal/Science Play)
Surgimos da escassez do mercado de eventos. Além do custo financeiro, existe a questão de o profissional precisar desmarcar agenda, perder tempo em aeroporto, o que gera uma situação bem onerosa, explica sócio Patrick Martins (foto: Arquivo pessoal/Science Play)

Com uma solução criativa e inovadora, a startup brasiliense Science Play aproxima eventos, palestras e conteúdos nacionais e internacionais, como artigos científicos da área da saúde, dos profissionais da área. Para quem não tem tempo e/ou dinheiro para estar por dentro de tudo o que acontece e das novidades, a empresa grava eventos, produz vídeos explicativos sobre conteúdos e traduz artigos, reunindo tudo em suas plataformas digitais (site e aplicativo), por meio de assinatura mensal ou anual dos serviços.

 

Idealizada por três sócios, a Science Play chega no mercado para democratizar a educação, com o objetivo de elevar o nível de conhecimento dos profissionais e os manter atualizados. Os assinantes da plataforma recebem vídeos diários de cinco minutos, palestras, documentários e pesquisas selecionados por profissionais contratados pela startup, e ficam ao alcance a todo momento, inclusive pelo celular.

 

Patrick Martins, um dos sócios da empresa, conta que eles atendem mais de 800 assinantes por mês, todos profissionais da saúde ou estudantes da área. “Surgimos da escassez do mercado de eventos, pois em muitos estados não são realizados congressos na área da saúde. E ir a um congresso em São Paulo, Brasília ou Rio de Janeiro, por exemplo, é muito caro. Além do custo financeiro, existe a questão de o profissional precisar desmarcar agenda, perder tempo em aeroporto, o que gera uma situação bem onerosa”, explica. Anualmente, o país recebe mais de 30 eventos na área da saúde.

 

PERSPECTIVAS EMPREENDEDORAS

Para Patrick, as pessoas esquecem que os maiores geradores de emprego do país são os empreendedores do mercado privado. “Na minha visão, o empreendedorismo é a chance que temos de fazer mudança. Mudar vidas, mudar rotinas, mudar pensamentos e mudar o nosso destino”, afirma.

 

Os sócios veem como seus maiores desafios conseguir conciliar todos os processos dentro da startup, sem deixar de dar atenção ao cliente, de manter os times integrados e de lidar com a parte tecnológica do projeto. Bruno Falcão, também sócio, ressalta que a programação e o desenvolvimento da plataforma precisam se renovar sempre. “Os usuários retornam com muitos feedbacks construtivos. A partir disso, temos que alterar algumas coisas para gerar a melhor experiência ao usuário. Uma área que depende, portanto, de mais investimento financeiro”, destaca o empreendedor.

 

ACELERAÇÃO

Recentemente, a startup participou do 6º CAMP (Cotidiano Acelera Meu Projeto), programa de aceleração da Cotidiano Aceleradora de Startups, realizado de setembro a dezembro de 2018 no espaço da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand.

 

Segundo o sócio Patrick Martins, a experiência de aceleração da startup gerou a eles um crescimento de 140% em relação ao mesmo período do último ano. Para Jorge Resende, desenvolvedor das plataformas do Science Play, a melhor parte do CAMP foi a rede de contatos criada. “A colaboração no trabalho e a troca de experiências sobre o mundo empreendedor são muito importantes para quem está começando a empreender. As mentorias também são muito boas, pois podemos ver nosso produto sob a ótica de um profissional experiente na área.” Além disso, ele explica que a experiência colaborou para que pudessem perceber melhor seus clientes. A partir de então, começaram a transformar sua forma de operação e produção, para que sejam mais fluidas e sincronizadas com os anseios do consumidor.

 

DICAS EMPREENDEDORAS

Os idealizadores da Science Play dão dicas para quem deseja empreender ou está começando no mundo dos negócios:

 

  • Antes de começar o negócio, pense bem se o seu produto/serviço é realmente inovador e se vai fazer a diferença. Para isso, faça uma pesquisa de mercado que mostre o que as pessoas precisam, e perceba se o seu sonho, sua ideia, fazem sentido para o consumidor.
  • Escute clientes, parceiros, desconhecidos. Escutando, você vai saber onde pode errar, onde errou, onde tem oportunidade e quem pode lhe conectar a quem.
  • Por fim, o seu projeto só faz sentido se lhe motivar a resolver problemas e criar produtos e serviços que sejam desafiadores e inovadores. Fazer acontecer só depende do quão grande é sua vontade de mudar o mundo, de quão grande é o seu sonho.