Publicidade

Correio Braziliense ESPECIALIZADOS EM GULOSEIMAS

Confeiteiros da cidade apostam em um só tipo de doce e dão asas à imaginação

Há quem se dedique a criar novas receitas apenas para cupcakes ou brigadeiros


postado em 07/11/2009 08:00 / atualizado em 06/11/2009 22:37

(foto: Kléber Lima/CB/D.A Press O casal de chefs Ana Paula e Gustavo Lacerda trouxe os tradicionais cupcakes norte-americanos para Brasília: preocupação em renovar o cardápio todos os meses)
(foto: Kléber Lima/CB/D.A Press O casal de chefs Ana Paula e Gustavo Lacerda trouxe os tradicionais cupcakes norte-americanos para Brasília: preocupação em renovar o cardápio todos os meses)
Para alguns, um pecado. Para outros, o paraíso. Não importa, no entanto, de que lado você esteja: o resultado sempre será delicioso. Combinações com o açúcar encantam e adoçam o dia de qualquer um. A paixão arrebatadora pelos doces é levada à sério no mundo da gastronomia. No mercado, chefs confeiteiros apostam na especialização em um só produto e trazem à tona a criatividade. São sabores inventados, misturas inusitadas com uma apresentação personalizada, mas sem deixar de lado a receita de um doce clássico. Tudo de dar água na boca.

Um bolo pequeno com massa fofa e uma cobertura colorida foi a inspiração do casal de chefs Gustavo e Ana Paula Lacerda. Os dois moravam em Connecticut, a uma hora de Manhattan, quando ela resolveu fazer o curso de pastisserie, no início de 2006. “Sempre fui muito curiosa, queria aprender a fazer todos os doces, e acabei conhecendo o cupcake”, conta. Os americanos tinham redescoberto o gosto de infância trazido pelos bolinhos que deixam a cara lambuzada e lojas especializadas começavam a surgir. “Uma amiga que tinha uma confeitaria me convidou para fazer os cupcakes e deu tão certo que eu fiquei com vontade de abrir um negócio parecido”, revela Ana.

O casal já tinha planos de voltar a Brasília e a crise financeira foi o estímulo que faltava. A ideia inicial era abrir um bar ou um restaurante, mas eles resolveram investir nos cupcakes. “Todo mundo falou que eu era maluco, investir dinheiro em algo que ninguém conhecia, mas eu não queria fazer o que todo mundo faz”, explica Gustavo. Descobrir como trazer a fórmula americana para o público brasileiro não foi fácil. Foi necessário importar alguns ingredientes, como chocolate belga e fava de baunilha, e fazer algumas adaptações.

“Foi uma diversão de erros e acertos. Fiz várias receitas até conseguir montar o cardápio”, confessa Ana. O resultado da experiência foi traduzido em 15 sabores para a loja Vintage Cupcakes. Entre eles, o clássico red velvet, com massa vermelha de cacau e cobertura de baunilha; o rocky road, bolo de chocolate com castanha de caju regado com fudge e cobertura de chocolate; e o macadâmia nut com white chocolate, bolo de baunilha com pedaços de chocolate branco e macadâmia coberto com ganache de chocolate branco.

Na cozinha, nada de máquinas para fabricar bolos. O trabalho é todo artesanal e algumas regras devem ser respeitadas. A primeira delas é que a cobertura tem de ser do tamanho do bolo. Nada do clássico chantily ou glacê, apenas nas versões ganache de chocolate, cremes de fruta ou baunilha e merengue gratinado. “O segredo do cupcake é a umidade. E tem de ser uma massa leve. É preciso achar o equilíbrio, colocar a quantidade certa de manteiga e ovos. E para cada sabor a quantidade é diferente”, revela Ana.
 Glaucia Macedo decidiu dar uma guinada na vida profissional e investiu na produção de brigadeiros: encomendas para todo o país(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Glaucia Macedo decidiu dar uma guinada na vida profissional e investiu na produção de brigadeiros: encomendas para todo o país (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

A cada mês, dois novos sabores entram no cardápio. “Estamos sempre pensando em inovar. Ontem mesmo, estávamos conversando e surgiram nove ideias. Às vezes, a gente quebra a cara. Fizemos uma versão do Romeu e Julieta com creme cheese que não fez muito sucesso. Fiquei traumatizada, até hoje não me conformo”, brinca a chef. Eles também tentaram fazer cupcakes de frutas amazônicas como o açaí, o bacuri e o cupuaçu, mas eles também não chamaram a atenção do público. “Descobrimos que os clientes querem mesmo os clássicos americanos. Um dos preferidos é o feito com a fruta blueberry”, conta Gustavo.

Apesar de ter se tornado uma franquia de sucesso em menos de um ano, a Vintage Cupcakes não deixou a simplicidade de lado. A loja aceita encomendas para festas e casamentos e todo novo cliente recebe(1) uma aulinha sobre a arte de saborear um cupcake. “Acho que o diferencial não é apresentar um produto só, é o conceito. Você vai até o balcão para comer uma coisa diferente e legal.

É para se divertir, se sujar mesmo, se esbaldar e esquecer seus problemas”, afirma o empresário.

Leite condensado
Para a psicóloga Glaucia Macedo, a especialização veio da clássica mistura de leite condensado com chocolate em pó. “Desde pequena, eu gostava de cozinhar e, depois de casar, a coisa meio que aflorou. E quase tudo que eu preparava era doce. O brigadeiro virou minha marca registrada”, lembra. Há dois anos, ela passou por um período de autoavaliação e sentiu a necessidade de fazer alguma coisa diferente no lado profissional.

De uma coisa ela tinha certeza, a ideia teria que surgir na cozinha.

Glaucia resolveu testar a receita de brigadeiro que ela costumava fazer e que todos seus amigos mais gostavam. Experimentou usar outros ingredientes, adicionar sabores e fez testes para deixar a textura mais cremosa. “No começo, eu fui muito tímida e fazia mais para minha família. Até que um amigo meu, chef de cozinha, me encomendou e eu comecei a divulgar no blog de culinária que eu tinha. E outras oportunidades começaram a aparecer”, conta a psicóloga. Surgiu então a marca Quitandoca.

A doceira queria aliar duas paixões na hora de vender o produto: a comida e o artesanato. Ela fez questão de preparar todas as embalagens feitas de forma personalizada. Os brigadeiros são vendidos em pequenos vidros cobertos com tecidos coloridos e fitas. “Acho que um produto para fazer sucesso deve ter a apresentação de caprichadas e ter sabores diferentes”, diz. Ele prepara brigadeiro branco, de nozes, de pistache, de damasco, castanha-do-pará e capim-santo, além de bejinho-de-coco e o doce bicho-de-pé, que é feito com morango.

Quando tudo começou, ela morava em São Paulo. Há sete meses, Glaucia se mudou para Brasília e resolveu investir mais no negócio. Entrou em contato com blogueiras brasilienses e começou a participar de feiras das cidades. “A mudança foi uma oportunidade de focar naquilo que eu gosto de fazer. Foi preciso coragem, arrisquei muito”, revela. As encomendas para festas infantis, aniversários e casamento não param mais. Com o blog, ela envia os potes personalizados para todo o Brasil, além de atender o mercado local. A psicóloga continua a fazer suas consultas, mas também dá conta da produção de brigadeiros sozinha.

Já Luciana Sampaio também começou com pequenos passos. Há 12 anos, ela trabalhava em uma empresa de construção civil como técnica de edificações e resolveu fazer trufas, bombons e ovos de páscoa para complementar a renda. “Primeiro, eu copiava as receitas das revistas, depois fiz cursos e acabei abandonando o emprego para viver disso”, comenta. Além de fazer doces por encomenda, ela dá aulas.

Nos últimos anos, no entanto, a doceira se tornou especialista em modelagem. Os docinhos feitos com marzipan de leite em pó fazem sucesso nas festas infantis e na época do Natal. “Com o doce, eu posso dar luz à minha criatividade. Hoje, o público busca um produto que tenha sabor e beleza. Dá para fazer caricaturas, bichos, frutas. E tudo à base de açúcar, uma delícia”, diz. Um de seus objetivos é passar seus conhecimentos adiante. Ela garante que qualquer pessoa pode fazer essas deliciosas guloseimas, basta querer. “Conseguir transmitir isso é o que me traz mais prazer. Dá para investir em doces sem culpa, o mercado precisa de novidades e gente colhe bons frutos com isso.”

1 - Na ponta do nariz
Para comer o bolinho americano, como os das fotos ao lado, é preciso abaixar a forma de papel que o envolve e abrir bem a boca na hora de morder. O objetivo é degustar a enorme cobertura e a massa ao mesmo tempo. Faz parte da diversão se lambuzar com o creme e só vai conseguir sentir o sabor do doce quem sujar a ponta do nariz.

» Confira a receita de docinho de leite em pó da chef Luciana Sampaio

Ingredientes
1 lata de leite condensado
1 gema
I xícara deleite em pó
1 xícara de açúcar impalpável

Modo de Preparo

Leva ao fogo o leite condensado e a gema. Mexa até iniciar fervura. Retire do fogo e deixe esfriar. Depois misture o leite em pó e o açúcar peneirado. A massa pode ser tingida com corante gel na cor de sua preferência, depois deixe descansar por três horas. O ponto deve ser de uma massa de biscoito que grude nas mãos depois só modelar do jeito que você quiser, uma forminha de silicone também pode ser usada para dar forma. Obs: Se a massa ficar muito firma acrescente leite condensado ou se ficar muito mole coloque mais leite em pó e açúcar peneirado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade