Publicidade

Correio Braziliense

Poesia para quem precisa

De São Sebastião a Ceilândia, de Taguatinga a Samambaia - os saraus cada vez mais ganham adeptos


postado em 20/05/2010 07:00 / atualizado em 20/05/2010 14:01

A poesia não tem credo, sexo, idade, cor e, muito menos, lugar para acontecer. Se, nos séculos passados, ela se restringia a uma burguesia intelectual que promovia encontros em palácios e afins, hoje, ela se faz presente em casas, botecos, ruas e praças de todos os cantos. Por aqui, ela pulsa como nunca nas satélites do Distrito Federal. Taguatinga, São Sebastião, Guará, Samambaia, Ceilândia e tantas outras realizam saraus regularmente e conquistam cada vez mais um público cativo.

Guerrilha poética: o Coletivo Radicais Livres, de São Sebastião, reúne-se há quase 7 anos(foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press )
Guerrilha poética: o Coletivo Radicais Livres, de São Sebastião, reúne-se há quase 7 anos (foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press )
“Têm saraus em todas as regiões do DF. Mas as pessoas só ficam sabendo dos que acontecem no Plano Piloto. É uma questão de divulgação e de voltar os olhos também para lugares como Taguatinga, São Sebastião, Ceilândia. São cidades extremamente criativas e a maioria das pessoas desconhece isso. Temos muitos talentos por aqui”, destaca Cláudia Bullo, uma das integrantes do Coletivo Radicais Livres Sociedade Anônima, de São Sebastião, que há quase 7 anos dissemina a arte nas periferias da capital do país, promovendo um sarau democrático e gratuito numa cidade associada, quase que unicamente à violência.

Os saraus realizados DF afora não se diferem muito dos tradicionais e, além da finalidade literária, oferecem música, dança, teatro, artes plásticas, vídeos e debates, mas sobretudo, têm uma preocupação em levar arte para quem não costuma ter muito acesso. “Ainda estamos em processo de formação de público. A intenção é focar na população de São Sebastião. Mas isso não impede de ter outros poetas, artistas de outras vertentes, outros coletivos. A gente costuma reunir, 200, 300 até 400 pessoas em cada evento. Mas ainda estamos longe do ideal. A população daqui é de 100 mil habitantes, o caminho é longo”, acredita um dos componentes do Radicais Livres Thiago Alexander.

Atrações
Uma das maneiras de “popularizar” o sarau é oferecendo atrações mais próximas da população, como o hip-hop e o rap. É o que defende outro “radical”, Renato Hally: “Poesia ainda tem essa visão de ser algo elitizado, apesar de estar mudando. Acredito que esse grau de catequização cultural tem sido mais fácil, principalmente, por intermédio de manifestações culturais com uma abordagem mais social, menos elitizada. Isso tem envolvido mais a população.”

Um dos focos do sarau é justamente a juventude da cidade, até para revelar a eles um tipo de arte que não estão muito acostumados. Vinícius Borba, também integrante do Radicais Livres, destaca a realização das oficinas de iniciação que, esporadicamente, são ministradas pelo Coletivo, o que faz com que desperte um interesse maior do público jovem. “A gente estimula a produção, não só nas oficinas, mas no próprio sarau. Por isso, fazemos questão de trazer atrações diversificadas. E tudo feito com muito suor e amor pela arte”, lembra ele, que iniciou uma campanha de doações para a manutenção da sede do Radicais recém-inaugurada. Para ajudar basta entrar em contato pelos telefones 8169-8150 e 8551-1075 ou pelo e-mail radicaislivressa@gmail.com.

A cidade de Samambaia também aderiu ao lirismo. No próximo 28 de maio realiza a 12ª edição do Sarau Complexo que visa, sobretudo, a implantação do complexo cultural da cidade, considerado pela comunidade artística da região de suma importância para o desenvolvimento artístico, cultural e turístico do Distrito Federal e Entorno. “O principal objetivo do nosso sarau é conscientizar e mobilizar sociedade e governo pela implantação do Complexo Cultural Samambaia, com teatro, cinema, galeria de arte, biblioteca, oficinas, anfiteatro, escola de artes. Ao mesmo tempo em que mostra o potencial artístico e cultural da cidade e região, seja de artistas, seja de público, o que justifica esse investimento”, defende o organizador do Sarau, Élton Skartazini.

Segundo ele, para se ter uma ideia, num raio de 20 quilômetros em torno do centro urbano de Samambaia, moram aproximadamente 1 milhão de pessoas praticamente sem nenhum equipamento público de qualidade destinado à arte, à cultura e ao turismo. Por isso, a luta pelo espaço. “Além do mais, o nosso sarau tem uma boa frequência de público e nossa programação se baseia na diversidade de linguagens e estilos artísticos, para todos os gostos”, afirma.

» Taguatinga é referência

Por ser uma das principais cidades do Distrito Federal, é natural que Taguatinga reúna grupos e coletivos poéticos bem atuantes. Um dos mais conhecidos e antigos é o Tribo das Artes, que completa uma década em 2010 e acaba de se tornar um ponto de cultura.

Outro sarau que aos poucos começa a ganhar espaço na cena taguatinguense é o realizado pelo Coletivo Poeme-se, que acontece todas as segundas e quartas-feiras do mês no Blues Pub, em Taguatinga, um reduto já conhecido de poetas e escritores. Focando principalmente em uma poesia mais cotidiana, e abordando temas sociais, eles vêm desenvolvendo projetos também em escolas e faculdades. “A poesia é o mote, mas tem outras manifestações artísticas. E isso ajuda a agregar pessoas variadas que é o nosso maior objetivo. O público tem sido bem variado e ampliado a cada sarau, mas, infelizmente, poesia não tem ainda essa massificação. Mas muita gente se interessa, se emociona. E isso que acaba sendo o nosso salário”, comenta um dos fundadores do Poeme-se, Alisson de Andrade Lacerda.

Além do pessoal de Taguatinga, o grupo conta com Rêgo Júnior e Margô Oliveira, dois remanescentes do Quartas intenções, coletivo de poesia de Ceilândia. No entanto, por falta de um espaço para a realização dos saraus, as reuniões foram suspensas e, então, decidiram participar do Poeme-se. “A gente tem poucos locais de tradição voltados para os saraus. Por isso, tem que improvisar na casa dos poetas, em bares e pubs”, lamenta Rêgo Junior. Outro fundador do coletivo, o poeta Haroldo Porto ressalta, que apesar da ausência de points de poesia na cidade, Brasília deve focar na sua vocação para as artes e se unir. “ A capital tem que acabar com essa ideia de panelinha da poesia e virar um grande caldeirão poético, fazer um mexido de todas as manifestações. Seja do Plano, das satélites. Isso é a cara de Brasília e é assim que tem que ser”, resume.

Confira vídeo do Sarau Radical

Programe-se
Agenda dos próximos saraus

Sarau Coletivo Poeme-se
Dia: 9 de junho
Hora: 21h
Local: Blues Pub, CSA 01 lote 01 loja 06/07, Centro de Taguatinga na lateral das Lojas Americanas
Entrada: R$ 3
Informações: 3045-5173

Sarau Radical
Dia: 11/6
Hora: 20h
Local: Aquário Bar, Av. Central n°291, Bairro São José, São Sebastião
Entrada franca
Informações: 8169-8150

12º Sarau Complexo Samambaia
Pela implantação do Complexo Cultural Samambaia
Dia: 28/5
Hora: 20h
Local: na QR 401, conjunto 26, em frente à casa 10, Samambaia
Entrada franca
Informações: 9908-4963

Sarau Tribo das Artes com temática de forró
Dia: 8/6
Hora: 20h
Local: Teatro da Praça, Taguatinga
Entrada: R$ 5
Informações: ruiterlimacausos@yahoo.com.br

Leia poemas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade