Publicidade

Estado de Minas

Orquestra Filarmônica homenageia o Galinho de Brasília


postado em 16/02/2011 08:00 / atualizado em 16/02/2011 08:37

Nesse ano, contrariando os versos da canção País tropical, de Jorge Ben, o carnaval ficou para o mês de março. Porém, nem por isso os adeptos da festa precisam esperar até lá  para colocarem seus blocos nas ruas. Hoje, às 21h, na Sala Villa Lobos do Teatro Nacional, a Orquestra Filarmônica de Brasília, em uma iniciativa inovadora, homenageia o tradicional bloco de carnaval da cidade, Galinho de Brasília.

Sob o comando da regente Michelle Fiuza, a orquestra faz o anúncio do carnaval com muito frevo tradicional e participação dos músicos locais Ellen Oléria, Sandra Dualibe, Eduardo Rangel, além do não menos especial, Galinho. “O espetáculo será dividido em duas partes. Na primeira, os músicos interpretam suas canções com a orquestra e, na segunda, o frevo será a principal atração da festa”, conta a regente.

O concerto faz parte do projeto Popularizando a sinfonia e apresenta sua quarta edição. “Como em todas as outras vezes, a ideia é inovar no formato”, fala a presidente da orquestra, Fabianne Gotelipe. Segundo ela, o repertório será composto por frevos tradicionais como Os vassourinhas, Frevo sanfonado e Frevando o Galinho.

Com duração prevista para cerca de uma hora e meia, bonecos e passistas vindos do Recife darão o toque especial à noite de homenagens. “O Galinho se sente envaidecido”, orgulha-se o atual presidente e um dos fundadores do bloco, Franklin Maciel Torres. “Em 20 anos de carnaval em Brasília podemos dizer que essa apresentação é inédita. É um privilégio ter uma filarmônica tocando o ritmo mais famoso do carnaval”, destaca Franklin.

O homenageado
Há 19 anos e 20 carnavais, o Galinho de Brasília arrasta famílias da cidade em seus dois dias de apresentação. “O bloco sai no sábado e na segunda de carnaval”, lembra o presidente do clube.

A saudade das ruas de Olinda e Recife fez com que um grupo de amigos, liderados por Romildo Carvalho, idealizador e criador do primeiro estandarte do grupo, fizessem  alusão ao bloco Galo da Madrugada e, assim, ao longo dos anos, o Galinho de Brasília sustenta, segundo Franklin Maciel, o título de maior baile à fantasia a céu aberto do mundo.

Com uma orquestra composta apenas por instrumentos de metais, num total de 40 músicos, o bloco tem 15 bonecos de destaque com mais de três metros e todo ano um motivo, além da alegria para botar as caras na rua. “Ano passado o tema foi os 50 Anos de Brasília e, nesse ano, vamos sair de pierrôs e colombinas”, brinca o presidente.

Ao longo de todos esse anos, Franklin ainda destaca que os foliões mais novos começaram a participar do bloco com apenas alguns meses e os mais velhos estão com cerca de 90 anos de idade.

Desde agosto do ano passado, a Orquestra Filarmônica de Brasília vem escolhendo datas comemorativas para apresentar seus novos arranjos em peças singulares. O primeiro foi a gravação do DVD Choro sinfônico, com a participação do músico Hamilton de Holanda, seguido pelo concerto em homenagem ao Dia da Consciência Negra. Na sequência, em dezembro, promoveu show natalino com o Coral Nota 10 .

A preços populares, a renda arrecada nos espetáculos é destinada ao projeto Viva arte viva que oferece oficinas gratuitas de música, teatro e dança para crianças carentes de Brasília e do Entorno. Os cursos infantis são realizados em convênio com escolas do DF e espaços públicos e privados. “Nós conseguimos juntar a alegria do carnaval com a iniciativa solidária”, completa a presidente da Orquestra.

Orquestra Filarmônica de Brasília homenageia o Galinho de Brasília
Hoje, às 21h, na Sala Villa Lobos do Teatro Nacional (SCN, via N2). Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Informações: 3325-6256. Classificação indicativa livre.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade