Publicidade

Estado de Minas

"A história está sendo twitada", diz o sociólogo Sérgio Amadeu


postado em 17/04/2012 16:25 / atualizado em 17/04/2012 17:32

Em debate sobre novas tecnologias na 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, o sociólogo Sérgio Amadeu e Marcelo Branco, representante do movimento pelo software livre, contaram com auditório lotado para ouvir as considerações sobre o mundo contemporâneo e a internet. "As redes sociais não vieram para desorganizar os velhos modos de comunicação, elas vão reformatar os velhos modos de comunicação", garante Amadeu, que defende a liberdade total no uso dos softwares como forma de não deixar que a indústria se aproprie das memórias das sociedades contemporâneas.

Marcelo Branco também defendeu a liberdade no uso de conteúdos, especialmente de músicas. Para ele, a indústria fonográfica era uma intermediária entre o artista e o público e se beneficiava da comercialização em detrimento dos criadores. Hoje, ele acredita, não há mais espaço para essa indústria. "Era um modelo injusto proque os criadores perdiam o direito sobre suas criações. Eles precisavam ceder os direitos para a indústria", diz Branco. "Estudos da London School of Economics dizem que essa prática (de download de músicas) não está afetando a receita dos criadores."

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, foi alvo de críticas durante toda a palestra. A retirada do selo do Creative Commons do site do MinC no início da gestão da ministra é um sinal de alinhamento do órgão com a indústria fonográfica. O cineasta Jean-Claude Carrière , parceiro de Umberto Eco na autorira de Não contem com o fim do livro , gravou vídeo especialmente para a Bienal. Na fala, Carrère defende que não há diferenças entre o livro escrito e o livro digital.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade