Publicidade

Estado de Minas

Longa de Walter Salles é o representante nacional na disputa em Cannes


postado em 16/05/2012 08:40

“Essa espécie de comitiva brasileira que segue para Cannes traz o reflexo da importância da difusão do cinema brasileiro no mundo. Existe o desejo de homenagear o país, e, desta vez, me sinto muito bem acompanhado, com Walter Salles, Nelson Pereira dos Santos, Eduardo Coutinho”, observa o cineasta Cacá Diegues. Com a experiência de 50 anos nas telas, o diretor alagoano partiu para a França — vai presidir o júri que escolherá o vencedor do Caméra d’Or, dado ao melhor realizador estreante do festival que começa nesta quarta-feira (16/5).

“A expectativa é mais cruel, com a posição de jurado. Julgar é muito chato. Não existem os bons e os maus artistas. Como escolher entre um Da Vinci e um Michelangelo?”, diz ele, que, no passado, integrou o júri oficial (1981) e competiu por fitas como Bye bye Brasil (1980), Quilombo (1984) e Um trem para as estrelas (1987).

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade