Publicidade

Correio Braziliense

Conheça títulos interessantes de e-books disponíveis no mercado nacional


postado em 24/12/2012 07:45

O Brasil chegou tarde ao mundo dos e-books. Se nos Estados Unidos e na Europa esse mercado se alastra pela cena editorial há sete anos, apenas em 2012 os brasileiros puderam ter acesso a aparelhos capazes de tornar o e-book um produto atraente. A venda de livros digitais nos Estados Unidos dobrou entre 2010 e 2011. No ano passado, os e-books se tornaram número um no ranking de livros mais vendidos na categoria ficção, segundo as estatísticas da BookStats, projeto coordenado pela Associação de Editoras Americanas (AAP) e pelo Grupo de Estudo da Indústria do Livro (BISG), instituições que representam o mercado editorial norte-americano. No Brasil, somente este ano a Amazon, maior varejista de livros on-line do mundo, abriu sua loja brasileira dedicada exclusivamente aos e-books, que podem ser baixados na versão nacional do Kindle. No mês passado, foi a vez de a Livraria Cultura entrar na corrida e dar início à comercialização do Kobo, um e-reader adaptado ao mercado brasileiro.

As duas lojas começaram a vender e-books e e-readers sete anos depois desse tipo de comércio tomar conta da rede nos Estados Unidos, onde os livros digitais são responsáveis por 15% das vendas das editoras. O leitor é quem paga pelo atraso. A biblioteca digital em português ainda é muito rala em comparação àquelas disponíveis no Hemisfério Norte e os e-books custam, em média, 27% menos que a versão impressa. No mercado norte-americano, a diferença pode chegar a 35%. Sérgio Herz, diretor da Livraria Cultura, acha um equívoco encarar o livro digital como um produto mais barato. “Para mim, tem uma grande miopia nessas coisas. O preço do livro não é só o preço do livro impresso, o custo de produzir um livro. Tem os direitos autorais, a remuneração de um monte de gente, tem tudo isso”, diz.

Leia mais notícias em Diversão & Arte

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade