Publicidade

Correio Braziliense

Músico Wilson das Neves lança o quarto disco como intérprete

Novo álbum "Se me chamar, ô sorte" traz parcerias com Paulo César Pinheiro e Chico Buarque


postado em 16/04/2013 07:55 / atualizado em 16/04/2013 08:08

Neves conecta a ancestralidade do candomblé à música popular carioca(foto: Daryan Dornelles/Divulgação )
Neves conecta a ancestralidade do candomblé à música popular carioca (foto: Daryan Dornelles/Divulgação )
Se me chamar, ô sorte, novo disco de Wilson das Neves, é uma ponte entre o passado e o futuro do músico carioca que, nesse trabalho, atua novamente como intérprete. Baterista profissional desde 1954, Das Neves começou a batucar nos terreiros antes de chegar à escola de música pelas mãos de Edgard Nunes Rocca, o Bituca. E se foi a família que o levou para o candomblé — e, consequentemente, para a música — , é ela a principal homenageada do álbum.

“Não é para qualquer João/ Que eu passo meu instrumento/Ao meu pandeiro fiel/Dou trato, tenho afeição/Carrego para o Grande Hotel/Dou colo no avião/Mas se você pedir/Mas se você me seguir/Eu posso lhe dar a mão”, diz Samba para João, feita por Das Neves para o bisneto. “Tive a graça de ser bisavô vivo e pedi ao Chico (Buarque) uma letra e ele fez essa obra-prima”, comenta o baterista-cantor, que há 31 anos toca na banda do autor de Roda viva.

Leia mais notícias em Diversão & Arte

Veja vídeo da música Ô Sorte, com Wilson das Neves e Emicida

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade