Publicidade

Estado de Minas

Grupo Satanique Samba Trio se destaca pela audácia e irreverência

Com releituras inusitadas, o grupo instrumental chama atenção na cena cultural da cidade com suas intervenções


postado em 07/07/2013 10:49 / atualizado em 07/07/2013 11:37

O Satanique Samba Trio é um quinteto que, eventualmente, pode se transformar em sexteto: o grupo já se apresentou nas ruas de Brasília numa sátira aos trios elétricos de micaretas(foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
O Satanique Samba Trio é um quinteto que, eventualmente, pode se transformar em sexteto: o grupo já se apresentou nas ruas de Brasília numa sátira aos trios elétricos de micaretas (foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
 

O grupo de música brasileira instrumental Satanique Samba Trio sempre prezou pelo inusitado. As composições compostas pelo mentor, o baixista Munha da 7, se baseiam na desconstrução ou em releituras de ritmos tradicionais. Ou “o maior número possível de elementos estéticos indigestos na MPB, trazendo distorção, rebusquidão, cinismo, ressentimento, dissonância, tempos compostos e confusão para o quintal de casa”, como o quinteto se enxerga no material de divulgação. O trio na verdade é um quinteto conhecido pelas apresentações com todos os integrantes encapuzados. Em 2010, subiram no trio elétrico e se apresentaram no meio do trânsito da cidade como se fosse comum um circuito de música instrumental ao ar livre.

Com o lançamento do álbum Bad trip simulator este ano, o grupo encerra a Trilogia da Putrefação que começou fora da ordem, com o lançamento do segundo disco antes do primeiro. “O que aconteceu é que o segundo disco ficou pronto antes do primeiro. O segundo era um álbum de samba-canção e gravamos mais rápido. Agora, a trilogia está sendo lançada na ordem cronológica”, esclarece Munha da 7 em tom de confissão. Haverá apresentações até o fim do ano em Recife, São Paulo e Porto Alegre.

Leia mais em Diversão & Arte

O quinteto é, provisoriamente, um sexteto com a presença do músico convidado George Lacerda (percussão), acompanha Munha da 7 (baixo), R.C. Ballerini (viola caipira), Etos Jerônimo (clarinete), Lupa (bateria) e Jota Dale (cavaco). Em 2014, porém, o Satanique deve ficar irreconhecível. O grupo instrumental planeja um disco com vocais. As letras serão feitas, com total liberdade, pelos convidados. Um dos confirmados é o vocalista da banda japonesa de pagode chamada Y-No, Kenta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade