Publicidade

Estado de Minas

Mercado de drags do DF renova-se com jovens que querem seguir carreira

O caso mais bem-sucedido até o momento é o da personagem Aretuza Lovi. Ela, ou ele, extrapolou os limites do Distrito Federal e, após uma passagem por Belém, assinou com a GW music records


postado em 14/07/2013 08:00 / atualizado em 13/07/2013 18:42

(foto: Iano Andrade/CB/D.A Press)
(foto: Iano Andrade/CB/D.A Press)
 

 

Toda sexta-feira, a rotina de seis brasilienses é um mix de perucas, maquiagem, vestidos, saltos altos e outros tantos acessórios espalhafatosos. Os jovens entram no camarim com os nomes de Breno, Nathan e Bruno, e, pouco mais de uma hora depois, saem sob as alcunhas de Xantara, Laurie e Angelike. Esses rapazes, que estão na casa dos 20 anos, transformam-se em drag queens inspiradas em divas do mundo pop e partem para animar o público da boate.

Com o fortalecimento da cena gay na capital federal, as drags também ganharam mais espaço e começam a povoar as boates brasilienses. “Apesar de ser um mercado um pouco decadente no Brasil, aqui em Brasília ele resiste. Acreditamos que são os personagens que acrescentam muito brilho e alegria para a noite”, analisa Thales Sabino, um dos sócios da Victoria Haus — clube que abre espaço para as drags locais e nacionais.

Essas características do mercado de entretenimento local fizeram com que alguns rapazes tentassem seguir carreira profissional como drag queens. O caso mais bem-sucedido até o momento é o da personagem Aretuza Lovi. Ela, ou ele, extrapolou os limites do Distrito Federal e, após uma passagem por Belém, assinou com a GW music records. Lançou um disco que está a venda na iTunes Brasil — o single Striptease tem cerca de 30 mil visualizações no YouTube.

O sucesso de Aretuza fez com que diversos outros jovens — que sempre gostaram de “se montar”, expressão utilizada para referir-se à preparação da personagem— buscassem investir na carreira. O Diversão & Arte fala sobre alguns deles:

Miss Carey
“Carey é porque sou muito fã da Mariah (Carey). O Miss é porque eu realmente sou linda, meu bem”, brinca Jhonne Theles, ao referir-se sobre sua personagem. Há quatro anos, ele começou a se montar incentivada por alguns produtores de festas da cidade. Nesse tempo todo, conta com apoio do maquiador Daniel Nunes. “Adoro esse lance da transformação, é um desafio profissional. Dá para brincar”, explica o jovem. “Sou muito tímido. A Miss é uma escapatória para isso. Ela é fria, calculista. Só faz carão. Faço a linha polêmica”, conta.
Nome: Jhonne Theles
Idade: 25 anos
Profissão: Estudante
Gasto com personagem: R$ 200
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade