Publicidade

Estado de Minas

Confira entrevista exclusiva com a artista Françoise Forton

Françoise Forton - A linha que dividiu a primeira protagonista de Françoise Forton de seus primeiros passos na carreira artística é tênue. Em Estúpido cupido, ela interpretou Maria Tereza, uma estudante do interior que sonhava em deixar sua cidade natal e se tornar Miss Brasil. Assim como a personagem, Françoise chegou a Brasília na década de 1960. Tomada de dúvidas, mudou-se para o Rio de Janeiro. Não se tornou Miss, mas foi além: consolidou-se como primeiro grande nome brasiliense com repercussão nacional. No último dia 7, comemorou 57 anos. São quase cinco décadas de carreira. Nesta entrevista, Françoise lembra dos tempos iniciais de Brasília e fala sobre os amigos Paulo Autran, Janete Clair e Chico Anysio.


postado em 21/07/2013 04:00

O que se recorda da vida em Brasília?
 Vivi em Brasília em uma das melhores épocas. A gente andava de carona, brincava nas construções... A cultura vinha para cá de fora. Cheguei no fim de 1959, para início de 1960. Comecei a ver teatro aqui, com Donato Donati, que foi meu primeiro diretor em Brasília. Conheci a Glauce Rocha, uma grande atriz, já falecida. Só encontrei com essas pessoas porque os espetáculos vinham de fora, e eram vistos por autoridades e pelo público.

Como esses espetáculos eram recebidos?
Era um grande acontecimento porque Brasília estava surgindo. Comecei a fazer teatro no colégio, eu gostava, achava bacana. Estudava no Centro Educacional Nossa Senhora do Carmo e assisti a um espetáculo, Sonho de uma noite de verão, na Escola Parque, e adorei! A partir daí, conheci Glauce Rocha e ficamos muito amigas. Nas minhas férias daqui, ia para o Rio e depois voltava para cá. Na verdade, eu fiz o caminho inverso.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade