Publicidade

Estado de Minas

Vencedora do Prêmio Nobel lança livro de contos assumidamente biográfico

O décimo quarto livro de Alice Munro reúne uma coleção de narrativas que retomam um velho hábito da escritora


postado em 18/11/2013 08:15 / atualizado em 18/11/2013 08:37

A escritora jura que a coletânea de contos
A escritora jura que a coletânea de contos "Vida querida" será sua última (foto: Peter Muhly /AFP Photo)

Os contos de Alice Munro não são feitos de metáforas — e elas são quase inexistentes na escrita da canadense — mas uma ideia é bem pertinente para descrever a maior habilidade da vencedora do Nobel de Literatura. Ao leitor, é oferecida uma janela, uma pequena entrada na vida de um personagem, um momento no qual se pode espiar um trecho — dramático, na maioria das vezes, é verdade — de uma existência. É como se Munro tomasse o leitor pelas mãos e entrasse, subitamente, pela janela do trem da vida de seus personagens. Com a mão sempre firme, ela oferece um rápido passeio pelo corredor, uma olhadela nas cabines, para em seguida, em alta velocidade, catapultar o leitor para fora do vagão.

Leia mais notícias em Diversão & Arte

Dear life, uma coletânea de 15 contos que Munro jurou ser a última, é uma despedida meio capenga. Em recente entrevista, logo após receber o Nobel, a escritora revelou que continua pensando em novas histórias e, por isso, não está mais tão certa assim de sua aposentadoria. Combinado com o prêmio, o anúncio levou Dear life ao topo das listas de mais vendidos, deixando para trás títulos como Cinquenta tons de cinza , de E. L. James, e Morte súbita, J. K. Rowling. O décimo quarto livro da autora tem também uma história assumidamente biográfica e reúne uma coleção de narrativas que retomam um velho hábito de Munro: pescar na província de Ontário, especialmente no campo e cidades pequenas, os personagens, cenas e paisagens descritos nos contos.

Simplicidade

Após ler três ou quatro contos, o leitor descobre que a tensão de Munro não carrega nenhum obviedade, embora seja onipresente inevitável. A tragédia que acomete a vida dos personagens resulta simplesmente da condição humana dos protagonistas, habitantes de um interior de aparência pacata, prisioneiros de um tempo nem sempre explícito. As histórias datam, seguramente, de um período posterior à Segunda Guerra, mas não estacionam no passado. Há muito do presente em alguns contos.

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade