Publicidade

Estado de Minas

Mulheres despontam no hip-hop nacional; veja as apostas em arte interativa

Nos últimos anos, as cantoras Karol Conká e Flora Matos conquistaram espaço e conseguiram se firmar entre os nomes do estilo musical dominado por homens


postado em 27/03/2014 06:00 / atualizado em 02/04/2014 11:15


Negra Li foi uma das primeiras mulheres a ser reconhecida na cultura do hip-hop. Ela disseminou a participação feminina em um gênero comandado quase que exclusivamente por homens. Nos últimos anos, Karol Conká e Flora Matos também conquistaram espaço e conseguiram se firmar entre os nomes do estilo musical. Aproveitando a boa maré, há mulheres de vários lugares do país que misturam rap, batidas eletrônicas, R&B e soul com uma linguagem inspirada no amor e no universo feminino.

Leia mais notícias em Diversão & Arte

“Acredito que o rap ganhou muita força com as mulheres nos últimos anos, não dá mais para virar as costas, é uma realidade”, define a cantora Yzalú. A paulista de São Bernardo do Campo é um dos exemplos dessa nova tendência. Influenciada por diferentes gêneros, ela faz o que denomina como Música Periférica Brasileira, uma união das letras características do movimento com melodias de violão próximas a MPB. “O meu envolvimento inicial com o hip-hop foi como apreciadora, me identificava muito com as letras. Comecei minha carreira solo com canções próprias, fazendo rap no violão e releituras de canções conhecidas”, explica Yzalú.


Confira entrevista com Livia Cruz:

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade