Publicidade

Estado de Minas

Compositor de sucessos, Michael Sullivan teve que recomeçar do zero

Autor de hits como Um dia de domingo conta que ganhou dinheiro com o sucesso, mas perdeu tudo e teve que começar de novo


postado em 14/04/2014 06:03 / atualizado em 14/04/2014 08:28

Michael Sullivan dispara:
Michael Sullivan dispara: "A música me usou" (foto: Bruno Peres/CB/D.A Press - 11/2/14)


O pernambucano Ivanilton de Souza Lima transformou-se em Michael Sullivan quando adotou nomes gringos e percebeu que cantar em inglês era um bom negócio. Isso foi em meados da décadas de 1970. “Escolhi Michael por causa do Michael Jackson”, confidencia ele. “As pessoas começaram a descobrir que eu era brasileiro depois”, diverte-se. Sullivan manteve a alcunha artística e, nos anos seguintes, tornou-se um dos mais requisitados compositores da música popular brasileira. Popular mesmo, com canções daquelas que vendiam milhões de discos, inundavam rádios e televisões e são cantadas até hoje.

Leia mais notícias em Diversão & Arte


Aos 64 anos, o também cantor e produtor teve parte de sua obra revisitada no disco Mais forte que o tempo (Sony Music, 2014) por importantes nomes da cena atual. Ele conversou com o Correio e relembrou o tempo em que as músicas criadas por ele e Paulo Massadas eram consumidas como água. Um dia de domingo, Me dê motivo, Deslizes, Amor perfeito e Whisky a go go estão entre elas, além da safra infantil que Xuxa, Angélica, Trem da Alegria e companhia entoaram. “O mercado absorveu meu gosto. A música me usou, não fui eu que usei a música”, diz.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade