Publicidade

Estado de Minas

Releitura de clássicos do cinema estão em alta na indústria cinematográfica

Famoso na década de 1980, 'Os caça-fantasmas' ganhará sequência em 2015


postado em 02/06/2014 08:08 / atualizado em 02/06/2014 08:17

Cena do filme Os caça-fantasmas(foto: Sony Pictures/Divulgação)
Cena do filme Os caça-fantasmas (foto: Sony Pictures/Divulgação)

Mullets, ombreiras, cintura alta e jeans lavado. Não foi apenas pela moda que a década de 1980 ficou marcada. A indústria cinematográfica também fez história ao produzir clássicos como Footloose, Dirty dancing — Ritmo quente, De volta para o futuro e os icônicos filmes adolescentes do diretor e roteirista John Hughes, como Curtindo a vida adoidado. Seja por causa da criatividade escassa, do sentimento de nostalgia, seja pelo desejo de repetir o sucesso de tais produções, vez ou outra sequências e remakes entram em cartaz, muitas vezes mais de 20 anos depois do primeiro filme.

Seguindo essa tendência, no ano passado, Tim Burton, diretor de Os fantasmas se divertem, assumiu que quer dirigir a continuação do longa. Em entrevista ao site MTV news, o ator Michael Keaton revelou que estará no filme. “Se ele (Tim Burton) está dentro, é difícil imaginar que eu fique de fora”, disse. Outro clássico da década de 1980 que ganhará uma sequência é o Os caça-fantasmas. As gravações do terceiro filme estão previstas para começar em 2015.

Leia mais notícias em Diversão & Arte

Longe de ter garantia de que a boa bilheteria do passado se repetirá, remakes de filmes que marcaram época são um risco. Em 2011, Footloose, longa que, neste ano completa 30 anos, ganhou uma releitura. A história de Ren McCormack— interpretado pela primeira vez por Kevin Bacon e por Kenny Wormald na segunda versão—, que se muda de uma metrópole para o interior, onde é proibido dançar, não teve o mesmo impacto que a primeira versão. Outro que também não agradou foi a versão de Dirty Dancing produzida em 2004.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade