Publicidade

Estado de Minas

Maiores cadeias de cinema dos EUA cancelam exibição de A entrevista

Os cinemas temem ataques terroristas durante a exibição do longa


postado em 17/12/2014 19:28

Filme A entrevista mostra a queda de um ditador norte-coreano(foto: Internet/Reprodução)
Filme A entrevista mostra a queda de um ditador norte-coreano (foto: Internet/Reprodução)
Depois da ameaça de atentados dos hackers que atacaram a Sony, as cinco mais importantes cadeias de cinema dos Estados Unidos decidiram não exibir o filme A entrevista (The Interview, em inglês). Regal, AMC, Cinemark, Cineplex e Carmike anunciaram, nesta quarta-feira (17/12), que não exibirão o longa. Apesar da posição da companhia, as autoridades dos Estados Unidos afirmaram, nessa terça (16), que as ameaças dos hackers não são séries.
As cinco maiores cadeias de cinema dos Estados Unidos - que representam 22 mil salas, em 1,6 mil locais do país - alegam que não querem arriscar a integridade do público com a exibição de A entrevista. Entenda Os hackers que atacaram a base de dados da Sony Pictures invocaram nessa terça-feira (16/12) os atentados de 11 de setembro de 2001 em sua última ameaça ao grupo para evitar a estreia, no Natal, de uma comédia sobre o assassinato do líder norte-coreano. A advertência ocorre horas após vários ex-funcionários da Sony denunciarem o grupo por não proteger informação confidencial de seus trabalhadores. O autodenominado grupo GOP ou Guardiões da Paz (Guardians of Peace), que reivindica o ciberataque perpetrado no dia 24 de novembro, emitiu um comunicado sobre o início de uma nova onda de vazamentos, que inclui e-mails do presidente da Sony Pictures, Michael Lynton, como um "presente de Natal". "Mostraremos claramente que os locais de exibição de 'The Interview' (A Entrevista) no dia da estreia terão um destino amargo...". "O mundo verá em breve que filme ruim fez a Sony Pictures. O mundo estará repleto de medo. Lembrem-se do 11 de setembro de 2001. Recomendamos que fiquem longe dos cinemas". A porta-voz do departamento de Estado Jen Psaki assinalou que as autoridades desconhecem a procedência das advertências, e lembrou que o filme "não é um documentário sobre a relação" entre Washington e Pyongyang. "Não sabemos qual é a fonte (destas ameaças), mas é importante destacar que não há informação crível para apoiá-las", disse Psaki à rede de televisão CNN. Por precaução, os protagonistas de "The Interview", James Franco e Seth Rogen, cancelaram suas aparições públicas, revelaram seus agentes ao canal ABC.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade