Publicidade

Estado de Minas

Filme Youth, de Paolo Sorrentino, provoca polêmica no Festival de Cannes

A performance do ator Michael Caine despertou elogios unânimes


postado em 21/05/2015 08:07

Cena do filme Youth, dirigido por Paolo Sorrentino, que dividiu o público de maneira polêmica, com aplausos e vaias(foto: YouTube/Reprodução)
Cena do filme Youth, dirigido por Paolo Sorrentino, que dividiu o público de maneira polêmica, com aplausos e vaias (foto: YouTube/Reprodução)

Ao desfilar pela Croisette, na seleção competitiva do 68° Festival de Cannes, com toda a elegância colecionada ao longo de 82 anos de vida (e 59 de carreira), Michael Caine, na condição de protagonista do filme-polêmica do evento em 2015 — Youth — desabafa suas frustrações sem medo de represálias: “Para os mais jovens, eu sou nada mais do que o mordomo do Batman. Apenas isso… E isso porque eu talvez tenha de carreira o mesmo tempo que a Rainha da Inglaterra tem de trono. Fazer o quê?”, disse o ator londrino, que, além de ter vivido Alfred na trilogia do diretor Christopher Nolan sobre o Homem-Morcego, foi seis vezes indicado ao Oscar, laureado com a estatueta duas vezes, por Hannah e suas irmãs, em 1987, e Regras da vida, em 2000. “Em Cannes por exemplo, eu vim uma vez só, com Alfie — Como conquistar as mulheres, em 1966. O filme foi premiado. Eu, não. Então não voltei mais”.

De chapéu branco na cabeça grisalha, Caine chegou à Croisette nesta quarta-feira ao lado de dois outros mitos do cinema: a atriz Jane Fonda e o ator Harvey Keitel. Os três atuam sob a régia do napolitano Paolo Sorrentino (realizador do oscarizado A grande beleza) em Youth, que disputa a Palma de Ouro e conseguiu, numa projeção emocionada, dividir a plateia como poucas vezes se viu na história recente do evento. Foi uma ovação de um lado e uma vaia rasgada do outro, como é inerente ao cinema de Sorrentino. Unânime só houve a opinião acerca do desempenho de Caine, que se candidata desde já, diretor da Croisette, a uma futura indicação ao Oscar. “As pessoas me perguntam se, pela minha idade, eu tenho problemas em interpretar velhinhos. Ora, a única alternativa para alguém de 82 anos seria interpretar um morto” , brincou o ator, cujo nome real é Maurice Joseph Micklewhite.

Com tiradas irônicas sobre inércias sentimentais, o personagem de Caine em Youth é Fred Ballinger, um maestro hoje aposentado a quem Rainha da Inglaterra deseja, a todo custo, ouvir em ação de novo. Mas, ao virar um octogenário, Fred descansou a batuta numa gaveta e hoje passa uma temporada num hotel nos Alpes Suíços, ao lado do melhor amigo, o cineasta Mick (papel de Keitel). “Eu fui fazer uma preparação com regentes profissionais e busquei inspiração num tipo que tinha trejeitos bem afetados. Ensaiamos durante muito tempo e, ao fim dos ensaios, um dos preparadores me disse que eu estava regendo melhor do que os candidatos a maestro que estudaram com ele,”, disse Caine, cheio de orgulho não apenas de sua educação musical como das cenas de “quase” nu de que participa, ao lado da modelo Madalina Diana Ghenea. “Este é o único corpo que eu tenho. Se o papel pede, por que não mostrar. E, não fiquem de gracinha com o que vão ver na tela: a velhice chega para todo mundo”.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade