Publicidade

Estado de Minas

Elza Soares faz show na abertura do Festival Latinidades

A cantora também é a estrela do documentário 'My name is now', de Elizabete Martins Campos, que será exibido no evento. A entrada do evento é franca


postado em 21/07/2015 07:31 / atualizado em 21/07/2015 11:29

Elza Soares conta sua história para o espelho em 'My name is now'(foto: Paolo Giron/Divulgação)
Elza Soares conta sua história para o espelho em 'My name is now' (foto: Paolo Giron/Divulgação)

Quando Elizabete Martins Campos, a diretora de My name is now, foi conversar com Elza Soares sobre o documentário que pretendia realizar, sincera e descontraída, a cantora disse: “Não quero nada de dor e sofrimento. Quero falar de vida”. A diretora acolheu a sugestão e, no filme, mostra a diva de 77 anos em closes, contando histórias, cantando e até brincando. Nada de didatismo sobre a história tão rica da personagem.


Elza, pelo visto, gostou do resultado e, cheia de marra, afirma. “Hoje eu me namoro. Estou apaixonada por mim, Não sei por que não me casei comigo mesma. Se soubesse que era tão gostosa, tão boa, não teria me dividido com ninguém.” O brasiliense pode curtir My name is now, em exibição na quarta-feira (22/7), às 19h30, no Cine Brasília, na abertura da 8ª edição do Latinidades – Festival da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha. No ano passado, Elza também esteve entre as atrações do evento.

Logo em seguida, por volta das 21h30, Elza se apresenta ao vivo na área externa do cinema acompanhada pelo DJ Ricardo Muralha. No show A voz da máquina, a música e a tecnologia estão lado a lado, numa mistura de MPB, drum & bass e house. O repertório, bem variado, traz canções como Cálice (Chico Buarque), Brasil (Cazuza), Paciência (Lenine) e Vou ficar aqui (Arnaldo Antunes). Não pode faltar, é claro, A carne (Seu Jorge, Marcelo Yuka e Wilson Capellete).

Fragmentos da vida

O documentário My name is now terá sua primeira exibição em Brasília, no Festival Latinidades. A obra, que passou pelo Festival do Rio de Janeiro, é diferente das tradicionais cinebiografias. Elza Soares atua como atriz da própria história, ora falando com seu espelho, ora cantando. “O filme é bem linear e mistura realidade com ficção. Eu queria fazer um documentário que tivesse fragmentos da vida dela e ela aceitou”, comenta a diretora Elizabete Martins.

Elizabete Martins Campos é a diretora do longa-metragem(foto: Divulgação)
Elizabete Martins Campos é a diretora do longa-metragem (foto: Divulgação)

Ela conta que a ideia de fazer o longa surgiu logo na sua primeira experiência com Elza. Na época, ela trabalhava em um programa de televisão e tinha que entrevistar a cantora.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade