Publicidade

Estado de Minas

Projetos procuram propagar a felicidade e o bem-estar na internet

Em vez de cultuar o sarcasmo, mensagens positivas e de mudanças de atitude são o ponto central de páginas como o The Glück Project, A Nossa Jornada, Indiretas do Bem e o Manifesto CutiCuti


postado em 16/08/2015 07:32

Felicidade, substantivo feminino. Palavra que, além de significar o estado de quem é feliz, vai em corrente contrária a mensagens de ódio que ganham espaço em páginas da internet, onde é mais fácil se camuflar e propagar discursos rancorosos. Textos negativos, comentários ácidos e conteúdos depreciativos assustam quem ainda crê no mito do homem cordial.

A surpresa, no entanto, surge com projetos culturais na internet que promovem o bem-estar. São iniciativas com conteúdo on-line que seguem uma linha contrária a dos “haters”, como é chamado quem utiliza a rede mundial de computadores para denegrir a imagem de alguém ou pregar a violência. Em vez de cultuar o sarcasmo, mensagens positivas e de mudanças de atitude são o ponto central de páginas como o The Glück Project, A Nossa Jornada, Indiretas do Bem e o Manifesto CutiCuti.

Fred Di Giacomo, comunicador e criador do The Glück Project, analisa o comportamento humano nas redes sociais por meio de uma visão sociológica do assunto. Desde que iniciaram o projeto, em 2013, Fred e a mulher, Karin Hueck, têm se conectado a livros, artigos e, sobretudo, pessoas, a fim de entender o que é a felicidade. Mudaram-se para Berlim, estudaram pensadores clássicos e, ainda hoje, compartilham as impressões na internet.

“O Brasil sempre foi essa mistura de Índia e Bélgica e hoje tem gente que quer um país moderno, estilo Suécia, vivendo com gente que quer viver numa teocracia conservadora à lá Irã. E as redes sociais amplificam os discursos de ódio. Precisamos ser mais racionais e menos emocionais e parar de culpar o outro pelos nossos problemas. Não existe ‘o outro’. Somos todos seres humanos falhos buscando a felicidade e uma vida melhor”, acredita Fred, que, até o início de 2016, dividirá o que aprendeu em um livro, em fase final de produção.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade