Publicidade

Estado de Minas

Coral da UnB vai à Grécia para concertos e participação em concurso

O grupo completa 35 anos como sólida referência em canto na capital


postado em 30/09/2015 07:30

O Coral da UnB, em frente a Igrejinha da 108 Sul: dedicação e intercâmbio intenso(foto: Arquivo do Coral da UnB)
O Coral da UnB, em frente a Igrejinha da 108 Sul: dedicação e intercâmbio intenso (foto: Arquivo do Coral da UnB)

 

 

Patrimônio Cultural do Distrito Federal, o Coral da UnB, ao longo de 35 anos de carreira, tem representado Brasília, com destaque no Brasil e no exterior. Em 7 de outubro, o grupo, formado por 34 cantores, sob a regência do maestro Éder Camúzis, viaja novamente para o exterior.

Entre 11 e 18 próximos, os coralistas brasilienses cumprem uma agenda de apresentações na Grécia. Inicialmente, fazem um concerto no Parnassus Concert Hall, em Atenas; e, na sequência, participam do concurso de canto coral, promovido pela Interkultur, na cidade de Kalamata.

À frente do coral desde 2001, Éder Camúzis (ele também dirige o Madrigal de Brasília) fala da importância da ida à Grécia. “Estaremos nos apresentando em um dos berços da cultura ocidental, integrando um concurso internacional, com a participação de coros de várias partes do mundo. Isso proporciona intenso intercâmbio, com troca de informações e experiências, que contribuem para o crescimento do Coral da UnB”.

Segundo, Márcia Prates, uma das mais antigas integrantes do grupo, o destaque obtido pelo coral nos festivais em que se apresenta no Brasil e em outros continentes, é resultado de muito trabalho. “Participamos de exaustivos ensaios e de aulas de técnica vocal, dadas pelo tenor André Vidal, que tem brilhado em musicais e óperas nos mais importantes palcos brasileiros”. Ela acrescenta: “O maestro Camúzis tem dedicado seu talento e a elogiada didática na condução do grupo, levando-o a alcançar resultados de excelência”.

No concurso, em Kalamata, o coral disputará prêmios em três categorias: música sacra, música folclórica e coro misto. Na primeira, interpreta Exsultante deo (Giovani Pierluigi da Palestrina), Judas mercator pessimus (padre José Maurício Nunes Garcia) e Dona Nobis (Carlos Alberto Pinto Fonseca).

Ofulu Corere (Oswaldo Lacerda), Ponteio (Edu Lobo e José Carlos Capinan) e Muié rendeira (domínio público) são da categoria folclore; enquanto na de coro misto, o repertório traz Ecco mormorar l’onde (Cláudio Montiverdi), El guayaboso (Guido Lopez Gavilann) e Sabiá coração de uma viola (Aylton Escobar).

Conquistas do grupo1984 e 1986 — 1º lugar no Concurso de Corais da Cidade do Rio de Janeiro
1992 — Finalista do XXI Floriége Vocal de Tours, na França
1997 — 1º lugar no XV Festival Internacional de Música de Cantonigrós, na Catulunha/ Espanha, na categoria Coros Mistos
2000 — 3º lugar no Internationaler Chorwetteweb, nas categorias música popular e coros mistos, em Miltenberg/ Elsenfeld/ Alemanha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade