Publicidade

Estado de Minas

Brasília recebe a fotografia psicológica de Dusan Kochol

Em trabalho exposto no Museu da República, artista esloveno reflete sobre a existência e a intimidade


postado em 10/02/2016 07:30

Dusan Kochol faz uma mistura das experiências pessoais com reflexões sobre o próprio processo fotográfico(foto: Dusan Kochol/Divulgação)
Dusan Kochol faz uma mistura das experiências pessoais com reflexões sobre o próprio processo fotográfico (foto: Dusan Kochol/Divulgação)
 

Colocados lado a lado, os retratos do esloveno Dusan Kochol provocam dúvida e confusão. Uma mancha de tinta estampada sobre a fotografia é uma vaga lembrança de algo ligado à psiquê e o torso nu coloca todos os retratados no mesmo patamar. Apenas o olhar e a expressão denunciam a individualidade de cada um. Like a drop of ink in a glass of milk, em cartaz no Museu Nacional da República, é um trabalho muito pessoal, como são todas as obras de Kochol.

Nascido na Eslovênia há 32 anos, Kochol costuma trabalhar no que chama de "margem'' entre a experiência pessoal, a imaginação e uma espécie de ficção interior reinterpretados em personagens que adquirem um lugar simbólico de diálogo com a cultura pop, mas também com a erudita. Kochol é fundador do Festival OFF da Bratislava, plataforma para novos talentos na arte do Leste Europeu.

A idade é um dos temas de Like a drop of ink in a glass of milk. O outro é a saúde mental. Realizadas ao longo de um ano, as imagens retratam homens que estão prestes a fazer ou acabaram de fazer 30 anos. As manchas estampadas sobre cada rosto funcionam como uma tentativa de reproduzir grosseiramente imagens do teste de Rorschach, muito usado em avaliações psicológicas. Kochol queria investigar a transformação pela qual passam os homens na virada de uma idade simbólica. “Eu, pessoalmente, comecei a organizar meus próprios pensamentos nessa idade. Eu queria capturar e enfatizar a importância do equilíbrio mental”, conta o artista.

As fotografias encerram o processo. O trabalho em estúdio, durante o qual o artista tentou desenvolver uma empatia e proporcionar reflexões mais pessoais por parte dos fotografados, é também um momento importante do trabalho. Uma das questões que pairavam na cabeça de Kochol era o quão as pessoas estariam dispostas a externar seus pensamentos e dúvidas existenciais e até que ponto estariam abertas a compreender e ouvir os outros.

 

Like a drop of ink in a glass of milk
Exposição de Dusan Kochol. Visitação até 21 de fevereiro, de terça a domingo, das 9h às 18h30, no Museu Nacional da República.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade