Publicidade

Estado de Minas

'Orgulho e preconceito' ganha versão em quadrinhos e releitura com zumbis

Clássico da literatura inglesa de forte apelo feminista ressurge de maneiras diferentes nas telas e nas prateleiras


postado em 15/03/2016 07:33

O romance de Jane Austen deu origem à comédia com direito a zumbis no cinema(foto: Reprodução/Divulgação)
O romance de Jane Austen deu origem à comédia com direito a zumbis no cinema (foto: Reprodução/Divulgação)

Orgulho e preconceito, popular romance da escritora britânica Jane Austen, retrata o cenário da Inglaterra no final do século 19, em que uma mulher, para ascender socialmente, precisava apresentar os dotes que possuía. Uma jovem, Elizabeth Bennet, porém, não aceita se enquadrar nas convenções sociais e morais da época. A história de luta por uma realidade igualitária às mulheres é atual e, talvez por esse motivo, a obra tenha ganhado adaptações no cinema e na literatura. Dessa vez, o romance de Austen ganha uma versão em quadrinhos e outra ampliada, que inclui cenas com zumbis.

O romance foi publicado pela primeira vez em 1813. A partir de então, o livro virou um sucesso mundial, teve adaptações cinematográficas e releituras, como é o caso de Orgulho e preconceito e zumbis, que também ganhou versão no cinema. O livro traz ilustrações, em que é possível ver os mortos-vivos partindo o crânio das pessoas para devorar cérebros.

Tudo tem início quando uma praga toma conta do vilarejo de Meryton, na Inglaterra, e os mortos retornam à vida. É nesse contexto que a heroína Elizabeth Bennet se insurge e se mostra determinada a eliminar a ameaça zumbi. A trama ganha contornos cômicos, além das batalhas sangrentas. Na adaptação cinematográfica, Lily James, Sam Riley e Bella Heathcote, dirigidos por Burr Steers, protagonizam a história clássica em meio aos mortos-vivos.

A versão com zumbis foi escrita em 2009, por Grahame-Smith  — que, no ano seguinte, lançaria Abraham Lincoln: caçador de vampiros. O sucesso foi instantâneo, o que levou à venda dos direitos de adaptação rapidamente. A partir do lançamento do livro, vários diretores, atores e atrizes foram considerados para fazer parte da produção. A Natalie Portman, inclusive, teria mencionado o livro à produtora Allison Shearmur, que inicialmente apenas achou graça na sugestão da atriz. Durante algum tempo, Natalie chegou a ser cotada para o papel de Elizabeth, a Lizzy.

 

 A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade