Publicidade

Estado de Minas

Quadros falsos de Portinari são exibidos em galeria argentina

Cerca de 40 óleos, aquarelas e gravuras são exibidos com pompa em Buenos Aires, em uma galeria inédita de quadros falsificados


postado em 28/04/2016 09:14 / atualizado em 28/04/2016 14:23

(foto: AFP Photo)
(foto: AFP Photo)
 

 

Reluz, mas não é ouro. Cerca de 40 óleos, aquarelas e gravuras atribuídos a artistas célebres como os argentinos Quinquela e Berni, o brasileiro Portinari e o uruguaio Páez Vilaró são exibidos com pompa em Buenos Aires, em uma galeria inédita de quadros falsos.

A exposição, montada a poucos metros do gabinete do ministro da Fazenda argentino, Alfonso Prat-Gay, não tem alarmes de segurança, mas é custodiada com zelo por agentes da Interpol - não pelo seu valor artístico, mas como prova do crime.


As 'obras' vêm de uma recente batida policial a uma quadrilha de falsificadores, na qual foram confiscados 240 quadros prontos para serem introduzidos no mercado, com molduras, carimbos e certificados falsos, confeccionados por verdadeiros artistas do delito.

"Algumas reproduções são toscas, outras são muito boas. Mas se existem é porque há mercado para vendê-las", explica à AFP Mario Naranjo, coordenador do setor de Patrimônio Cultural do Ministério da Fazenda e 'curador' da exposição, que foi criada para alertar sobre o tráfico de arte.

"Este delito move milhões de dólares e é considerado o mais importante a nível mundial depois do tráfico de armas e de drogas", afirma Naranjo. Segundo o coordenador, calcula-se que o valor de mercado das falsificações expostas é de cerca de 600.000 dólares.

Juanito perde a cabeça


Entre os quadros expostos se destaca uma reprodução do óleo de Antonio Berni (1905-1981) Juanito en villa tachito, na qual, por um descuido do falsificador, a imponente moldura dourada acabou cortando a cabeça do personagem principal. "Esta é talvez a falsificação mais emblemática da exposição", sorri Naranjo.

Mas nem todas as cópias saltam aos olhos. Estão exposto também trabalhos de falsificadores minuciosos que conseguem reproduzir a obra original com detalhes. É o caso do óleo falso El hombre y el perro, de Berni, digna de enganar o colecionador mais experiente.

"O trabalho dos peritos é fundamental para determinar se a obra é original", explica o especialista.

A exposição, que foi inaugurada em meados de abril e vai até o final de maio, foi possível graças a uma medida excepcional do juiz responsável pelo caso, que permitiu que as provas do crime saíssem do Palácio da Justiça.

Após o julgamento, os quadros serão destruídos para garantir que não chegarão ao mercado. Depois de tudo, até falsificações podem ter valor comercial. Mesmo no caso de um Juanito com meia cabeça.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade