Publicidade

Correio Braziliense

Juliano Goulart lança segundo disco no Clube do Choro

No repertório do álbum ele reuniu nove músicas, compostas nos últimos 10 anos, posteriores ao 'Vontade sol', o disco de estreia


postado em 27/06/2016 07:40

(foto: Patrick Grosner/Divulgação)
(foto: Patrick Grosner/Divulgação)

De roqueiro a pianista erudito, já é longa a trajetória de Juliano Goulart que hoje, às 21h, lança Vias tortas, seu segundo CD em show no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental). No repertório do álbum ele reuniu nove músicas, compostas nos últimos 10 anos, posteriores ao Vontade sol, o disco de estreia, de 2005.

Segundo o músico, o título desse novo trabalho representa bem a forma como ele foi concebido. “Produzi algo que não se limitou a apenas uma linha determinada. São composições ricas em referências e linguagens, que representa a pluralidade musical de Brasília”. O Vias tortas é bem eclético e traz faixas com pegadas de pop, jazz, soul, valsa, samba, música latina e rock progressivo. Entre elas, Nenhum laço, Primavera, Ilumina-te e Assim eu vou.

No show, ele terá a companhia da banda que o acompanhou nas gravações, formada por Oswaldo Amorim (contrabaixo acústico), Ted Falcon (violino), André Togni (bateria), Paulo André Tavares (guitarra e violão), além de três convidados especiais, Moisés Alves (trompete), Adil Silva (trombone) e Kris Maciel (voz).

Músico de formação clássica, Juliano carrega uma bagagem musical marcada pela experimentação de sonoridades e estilos, tendo como referência Bach a Villa-Lobos, Duke Ellington, Astor Piazzoll, Jimi Hendrix, Pixinguinha e Tom Jobim.

No início dos anos 1990 fez parte da banda Akneton (liderada pelo vocalista Celso Araújo), inicialmente como guitarrista, tecladista e backing vocal. Em seguida assumiu o baixo. O grupo misturava rock com funk e outras vertentes musicais e tinha seu lado performático fortemente marcado. “Foi uma experiência que acrescentou muito no pensar os arranjos, sobretudo as linhas do baixo.”

Grooves

Como baixista, o músico fez parte da Salve Jorge, criada pelo irmão Léo Goulart, em 2005. Dois anos depois foi violonista da Soul Jobim, ao lado de Oswaldo Amorim (baixo), Thiago Cunha (bateria) e Kris Maciel (vocal). “A partir da música de Tom, criávamos grooves, transformando-a em maracatu, reggae e soul music.”

Na área do teatro, Juliano fez trilhas para peças encenadas pela companhia Sesc de Pesquisa Cênica, dirigida pelo ator Rogero Torquato, entre as quais A infelicidade ao alcance de todos, Bejamim, o palhaço brasileiro e O rei da vela. Ele participou, ainda, de À espera de Liz, o primeiro longa-metragem do ator e diretor brasiliense Bruno Torres.

Hoje, será lançado também o site www.julianogoulart.com.br/ viastortas, no qual as faixas do novo CD estarão disponibilizadas. O projeto é uma produção executiva do Beco da Coruja Produções Culturais, com o patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC/DF).

Juliano Goulart
Show de lançamento do CD Vias tortas, com a participação de banda, pelo projeto Pratsa da Casa. No Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental). Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia para estudantes). 3224-0599. Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade