Publicidade

Correio Braziliense

Conheça filmes que representam o embate entre negros e brancos

Confrontos nos Estados Unidos aprofundam o debate


postado em 24/07/2016 07:31

(foto: Plan B/Divulgação)
(foto: Plan B/Divulgação)

A violência policial contra negros nos Estados Unidos fez emergir um embate que parecia adormecido: a tensão racial. Os confrontos e protestos que culminaram na morte tanto de negros quanto de policiais aprofundam, mais uma vez, um tema que está na gênese da sociedade americana (mas também tem sua face brasileira). O cinema tenta, em diversos momentos, entender e representar essa questão. Documentários, dramas — todos são gêneros em que o assunto já foi tratado.

“Essa relação é fonte de tensão em mais de um país em quase todos os tempos. Os grupos que ocupam determinado lugar e recursos tendem a hostilizar outros grupos que porventura ameacem seu ecossistema”, explica o professor e pesquisador da Universidade de Campinas (Unicamp) Noel dos Santos Carvalho. “Essa tensão aparece nos cinemas basicamente na relação tensa entre os grupos estabelecidos e os recém-chegados”, observa o especialista.

A temática teve destaque em premiações recentes do Oscar. Filmes como Doze anos de escravidão (vencedor como melhor filme em 2014) e Selma (dono da melhor canção em 2015) se destacaram na premiação.

O primeiro conta a história de Solomon, um negro livre que foi sequestrado e vendido como escravo. Além das agressões e humilhações, Solomon foi afastado da família, que só conseguiu reencontrar 12 anos depois.

Selma é a história da marcha liderada, em 1965, por Martin Luher King por mais de 80km, entre as cidades de Selma e Montgomery, no Alabama. King recebera o Nobel da Paz um ano antes e pedia, na marcha, direitos eleitorais iguais para a comunidade afro-americana.

Outro importante líder político americano na luta pela igualdade racial, Malcolm X também foi retratado nos cinemas. O filme, dirigido por Spike Lee, revela o discurso mais aguerrido e violento de Malcolm X e conta toda a trajetória do ativista desde a infância até a conversão ao islamismo. O ator Denzel Washington interpretava o protagonista.

Três perguntas/ Noel dos Santos Carvalho

Existe um espaço menor reservado para essas temáticas?

Sim, até porque este não é um assunto desejável e agradável. O Brasil, por exemplo, não quer discutir a questão racial, porque o racismo incomoda muito a todos. O racismo revela que o Brasil tem problemas que ele não consegue resolver. Todos os pobres, negros e indígenas marginalizados nos filmes são documentários da nossa realidade. É ruim para todos se verem em um espelho que revela o nosso pior e do qual não temos controle. Creio que é essa uma das origens dos estereótipos: eles enviesam a nossa realidade. Nos alienam e enganam. É essa a essência de um entretenimento alienante e que, como já disse, causa enormes prejuízos para alguns. Assim nos contentamos com a falsa ideia de que no Brasil não há racismo, ou que o racismo é residual e pontual. Enfim, colocamos a coisa toda para baixo do tapete.

Essa ainda é uma questão latente na nossa sociedade? De que maneira o cinema percebe isso?
É latente, fundamental, mas o cinema toca apenas lateralmente. A novidade são os cineastas negros e jovens em geral que têm uma perspectiva nova disso tudo. Destaco Jeferson De, Joel Zito e Adirley Queiroz.

Mas temos bons exemplos brasileiros?

Sim. Poucos. Nos anos 1949 um filme chamado Também somos irmãos é radical na acusação do racismo brasileiro. Nos anos 1950 alguns filmes da chanchada apresentaram dramas raciais. As chanchadas eram muito conservadoras, mas como era formada por filmes populares, o negro não poderia ficar de fora. Quando o cinema se aproxima do popular a presenca negra é quase obrigatória, mas ainda aí o estereotipo é recorrente.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade