Publicidade

Correio Braziliense

Astrid Fontenelle chega a Brasília para gravação do Saia Justa

A apresentadora grava projeto itinerante do programa na capital e, ao Correio, falou da carreira e da vida pessoal


postado em 05/12/2016 07:34 / atualizado em 05/12/2016 11:14

Astrid Fontenelle:
Astrid Fontenelle: "Saímos das teorias e filosofias. Porque a gente não sabe tudo, também já errou muito na vida" (foto: Tricia Vieira/Divulgação)
 

 

A apresentadora e jornalista Astrid Fontenelle é pau para toda obra. Ao longo da carreira, a carioca atuou como jornalista de forma tradicional, como repórter e assessora de imprensa, e apresentou diferentes tipos de programa, desde Disk MTV, em que foi VJ, até o programa Melhor da tarde, vespertino voltado para o público feminino da Band. O lado multifacetado da artista, inclusive, já foi motivo de crítica. Ela conta que um diretor disse que era difícil tê-la no elenco por suas múltiplas funções. “Às vezes pode ser um defeito, mas eu não acho, vejo como uma grande qualidade”, diz Astrid ao Correio.



Desde 2013, a carioca faz parte da bancada do Saia justa, atração do canal GNT que reúne quatro apresentadoras debatendo temáticas do noticiário e ligadas ao público feminino. Astrid fez parte de uma reformulação do programa, que ganhou as presenças também de Barbara Gancia, Maria Ribeiro e Mônica Martelli. Essa é uma das formações mais festejadas do programa. Para Astrid, a melhor ainda é a primeira formação, mas admite que o quarteto atual “tem carisma”. “Acabei imprimindo essa marca bem pop, de falar de coisa séria com muito humor e esta sinceridade, que eu tenho. E viramos um sucesso”, analisa.

Hoje, a partir das 20h, Astrid estará na capital federal ao lado das outras apresentadoras do Saia justa para fazer o Saia justa por aí. Uma versão itinerante do programa gravada com presença do público local. O formato já passou por Porto Alegre e Fortaleza e chega hoje a Brasília, com realização no Museu Nacional da República (Esplanada dos Ministérios). “Brasília é muito mais do que a política no seu dia a dia. É isso que queremos mostrar”, afirma a apresentadora. Ao Correio, Astrid Fontenelle fala sobre vida pessoal, carreira e projetos futuros.

Ao longo da carreira você passou por diferentes programas televisivos. O que a atraiu no formato do Saia justa?
A minha carreira é tão interessante... Eu tive um diretor, que num determinado momento, falou que era muito difícil me ter no elenco, porque, segundo ele, eu tinha múltiplas funções. Eu poderia apresentar um telejornal, um programa feminino, de culinária, de música, adolescente... Às vezes pode ser um defeito, mas eu não acho, vejo como uma grande qualidade. Então, eu saí da Band, fiz um ano sabático e fui chamada para fazer o programa Happy hour (também no GNT), que me deu essa característica hoje mais presente no Saia justa, que é tratar de assuntos mais sérios, falar de comportamento, economia, de um jeito mais pop. Estar no Saia justa foi quase que uma consequência do Happy hour, que era um programa diário, mas muito custoso ao canal, que naquele momento não podia manter. Eles queriam modificar o Saia justa, então foi uma decorrência. Eu fiquei muito feliz. Eu achei que era demais para mim, um pulo e uma “responsa” muito grande. Acabei imprimindo essa marca bem pop, de falar de coisa séria com muito humor e essa sinceridade, que eu tenho. E viramos um sucesso. As pessoas falam que somos a melhor formação desde a estreia, que, claro, tem uma formação hors concours, com Rita Lee, Marisa Orth, Mônica Waldvogel e Fernanda Young. Mas acho que temos carisma.

O Saia justa traz uma discussão de temas importantes do universo feminino e sob o ponto de vista 
das mulheres. Para você, qual é a importância ter um espaço como esse na televisão?

Acho que o motivo do sucesso do programa é porque a gente realmente conseguiu transparecer a nossa opinião. Às vezes ela não faz sucesso, é dolorosa. Não é fácil dizer na televisão que foi abusada, que sofreu um aborto... Mas ao mesmo tempo as mulheres que passaram por isso, elas sentem que há sinceridade (no depoimento). Não falamos as coisas para dar audiência. Eu falei de um aborto porque não aguentava mais só falar dos outros. Acho que o assunto precisava ter cara. Há muitos anos eu não via caras na televisão. Eu lembro de há 20 anos, uma matéria de uma revista que tinha personalidades famosas falando sobre aborto. Depois nunca mais. É como se ninguém conhecido fizesse, como se fosse algo só das meninas da periferia. Mas há muitas ricas anônimas em clínicas clandestinas. Estamos todos no mesmo barco. Essa virou a fórmula do Saia justa, que não era algo determinado. Saímos das teorias e filosofias. Porque a gente não sabe tudo, também já errou muito na vida.

Você estará em Brasília com o Saia justa por aí. Como tem sido essa experiência de itinerância pelo Brasil? 
Esse foi o maior presente que nós recebemos, foi mergulhar no desconhecido. Até então, eu nunca tinha feito nada no teatro. Fiz grandes eventos, como Miss Brasil, por exemplo, mas fazer um programa? Eu nunca tinha feito, nem eu, e nem nenhuma das meninas. É algo completamente diferente. A gente se surpreendeu positivamente. É maravilhoso, somos muito bem recebidas, morremos de rir. Os intervalos são os momentos mais engraçados. Acho que essa é a oportunidade de o Brasil se conhecer, cada estado tem uma característica diferente.

O que você pode adiantar sobre o programa de Brasília?
Brasília é uma cidade muito nova, tem praticamente a minha idade. Você encontra o Brasil todo em Brasília, por ser a capital. Tem gente de todos os lugares, tem essa mistura. Brasília é muito mais do que a política no seu dia a dia. É isso que queremos mostrar. Vamos mostrar a Brasília além da política. A Barbara (Gancia) fará um tour pela cidade mostrando a Brasília, que eu conheço, que é linda de qualquer ângulo que você vê, que fotografa bem, que tem arte. Vamos gravar no Museu Nacional da República, que é um lugar de respeito e admiração. Vamos ter a presença da jornalista Zileide Silva. Mas não é para falar de política. É evidente que a política permeia qualquer outro assunto em nossa vida, mas vamos tratar de política no sentido de que Brasília é uma cidade planejada. Porque falar de política é quase falar mal de algo. É importante mostrar que os políticos vieram de todos os lugares do Brasil. Eu sou muito encantada por Brasília.

Como funciona o processo de gravação do Saia justa?
Temos uma equipe de pauta que se reúne semanalmente. Mas todo mundo é convidado a enviar sugestões. Na medida do possível, eu sou a que mais frequenta a reunião. Os temas são mesclados, seja do noticiário, seja a conversa que apareceu nas rodas, sejam coisas que estão acontecendo no mundo... Normalmente o primeiro bloco tem a pauta quente. Depois o resto vai se dividindo de acordo com o que mais ou menos a gente vai falando.

Você usa bastante as redes sociais. Como é a sua relação com elas?

Acho que para a televisão ela é uma parceria sensacional. Eu vi isso na época do Happy hour. Colocávamos as coisas no Twitter e notávamos essa agregação. No caso do Saia justa, isso aquece o programa. Estamos ali no Twitter interagindo com a audiência. Não faço para ganhar público. É porque é realmente uma oportunidade genial de conversar com as pessoas. É um feedback real, sem filtro.

Você tem receio de comentar algo na sua rede social?

Eu não tenho mais não. Tenho cuidado, mas não tenho medo. Cuidado porque hoje as pessoas estão muito agressivas. Não acho que a vida seja dividida entre coxinhas e petralhas. Acho que encontrei meu tom, de forma calma e tranquila. Também ninguém é obrigado a me seguir. Se está seguindo, vamos manter um certo nível de respeito. Batalho para os diálogos terem um nível e não serem meras ofensas. Ofensa é igual a briga de bar. Mas se você olhar minhas redes, eu sobrevivi e consegui achar meu tom, sem me tirar.

Há alguns anos você adotou o seu filho Gabriel. O que a presença dele mudou na sua vida?
Ele me deixou mais leve, mas atenta aos outros. Ele me fez exercitar muito mais a empatia. Eu já exercitava, mas eu nunca tive a dúvida na hora de partir para a adoção. Aconteceu até mais rápido que para muitas pessoas, mas não tão rápido quanto uma pessoa merece. Foram 10 meses, o que pode ser considerado rápido perto de outras histórias. Ele me faz mais feliz. Eu já era uma pessoa de felicidade, porque tenho essa coisa da resiliência, quando algo me abate eu já falo: “Bora, vida que continua”. Acho que ele veio em um momento em que eu estava desesperada para dividir conhecimento. Ele me deu um gás na carreira. Eu estava de saco cheio, não era suficiente dividir conhecimento com a audiência. Eu queria dividir essa herança com um herdeiro direto. Ele me deu gás para trabalhar, e eu amo trabalhar. Trabalho porque gosto e preciso.

Você tem vontade de ter outro filho?
Eu jurei que faria isso. Eu queria que ele tivesse um irmão. Então veio a lúpus (doença com a qual Astrid foi diagnosticada), a idade foi avançando... Hoje, eu não penso. Mas nunca se sabe. Eu digo que recentemente eu virei avó. Meu melhor amigo acabou de adotar um garoto de 2 anos e 8 meses. Sou madrinha da criança, mas tenho essa pegada de vó.

Você apresentou durante um tempo no GNT o programa Chegadas e partidas, que era uma atração bastante emotiva. O programa pode retornar?

Estamos nesse momento agora falando sobre isso. Eu não posso dizer nada ainda. Era algo muito desgastante fisicamente e emocionalmente, mas eu adorava. Não passava um dia na minha vida que aquilo não valia a pena. Eu gostava de fazer. Primeiramente, porque foi um passo importante na minha carreira. Poucas pessoas podem fazer um programa como aquele. Eu precisava ouvir, foi uma oportunidade. Todo mundo tem uma história.

As pessoas a conheceram como VJ da MTV. Como é a sua relação com música hoje?
Sou movida a música e notícia. Tenho um filho que é movido a isso também. Todo dia quando acordo já tem música tocando na sala de casa. Eu só faço aumentar. Ouço música o tempo todo, me diverte, me faz dançar. 

Saia justa por aí
Gravação hoje, às 20h, no Museu Nacional da República. Exibição em 7 de dezembro, às 22h, no canal GNT.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade