Publicidade

Correio Braziliense

Longa sobre avião que pousou em rio em Nova York chega ao Brasil

Filme narra a história do voo que pousou sobre o rio Hudson com 150 pessoas a bordo


postado em 14/12/2016 07:30

 

 

Tom Hankls como Sully: um comandante que salvou 150pessoas ao pousar um avião em rio em Nova York(foto: Reprodução/Internet)
Tom Hankls como Sully: um comandante que salvou 150pessoas ao pousar um avião em rio em Nova York (foto: Reprodução/Internet)

 

Em três meses de exibição nos cinemas estrangeiros, o mais recente filme com a assinatura do diretor Clint Eastwood já ocupa a quarta posição entre os filmes com maior público voltados à temática da aviação. Com US$ 219 milhões de lucro, a fita superou filmes populares quando o assunto é acidente aéreo, à frente de êxitos como O voo (com Denzel Washington indicado ao Oscar em 2012) e Voo United 93, que, em 2006, reviu incidentes ligados ao fatídico 11 de setembro.

Eastwood lançou Sully — O herói do rio Hudson, em 9 de setembro passado, ao reproduzir, na ficção, um episódio verídico e com desfecho solar para um acidente aéreo. Recrutado, nos anos 1950 para a Guerra da Coreia, o ator e diretor enfrentou uma realidade semelhante, com a queda do avião em que estava, na área de São Francisco. “Sou provavelmente o único diretor que esteve, de verdade, num pouso na água. Mas, isso não teve influência decisiva na feitura do filme”, observou ele para a mídia internacional.

“Como Sully (o nome do piloto retratado no longa); quando faço filmes, eu faço apenas o que deve ser feito”, observou o lacônico cineasta de 86 anos, ao jornal El País. Quem completa o propósito da fita é o próprio comandante do voo US Airways 1549 (desviado de uma tragédia, pela ação do piloto) Chesley Sully Sullenberger, que reforça: “Queria que, no filme, estivesse enfatizado o enorme senso de humanidade cotidiana com o qual podemos contar”, destaca o diretor.

Mais de 150 pessoas dependeram — e ganharam o que muitos chamam de segunda chance — da perícia de Sully para sobreviver. Ao jornal britânico The Telegraph, o astro do longa Tom Hanks comentou que, se há ressonância de contexto sociológico no longa, “se deve ao fato de ser um exemplo de que instituições (e pessoas) podem abraçar cargas de responsabilidades esperadas”. Mobilizado pelos mais de 40 anos de experiência como piloto, Sully foi de encontro a orientações vindas da torre de controle, e tomou atitudes questionáveis, durante o perigoso voo.

Crise


Pela falta de conflito e tensão num enredo do qual o público já sabia, de antemão, o desfecho pairavam dúvidas quanto à adaptação do livro escrito por Sully, Highest duty (algo como O mais elevado dever). A reação do comandante — tomada em pouco mais de três minutos, de ignorar a orientação do regresso às pistas do aeroporto La Guardia —, e que, na vida real, se deu em crise econômica acentuada de 2009, aumentou a mítica em torno do ato dele. “Acho que o evento deu a chance de as pessoas terem esperança, quando todos precisavam disso”, observou, em entrevista.

Inicialmente cotado para o papel vivido por Tom Hanks, Harrison Ford (que virou notícia, por pouso forçado, ano passado) foi quem deu andamento ao projeto entregue ao amigo e produtor Frank Marshall (dos filmes de Steven Spielberg e da série De volta para o futuro). Num equivalente à nacional Anac, a NTSB (Nacional Transportation Safety Board), dotada de capciosos advogados, tem papel de relevância, no longa do republicano Eastwood.

Já tendo desbancado a bilheteria de Capitão Philips (2013), outro título que expôs Hanks a perigo real e imediato, Sully, feito a partir de US$ 60 milhões, trouxe desafios para o gabaritado protagonista. Além da presença regular do cinebiografado, atento ao exemplar do roteiro, cheio de orelhas e rascunhado, ele se disse “intimidado” pela primeira atuação num filme de Eastwood. “Atravessamos, com Sully, cada página do roteiro e, a todo momento, cada marcação tinha um comentário do piloto. Ele foi firme, nas opiniões”, comentou Hanks.

Tom Hanks em perigo


» A fogueira das vaidades (1990)
» Apollo 13 — Do desastre ao triunfo (1995)
» O resgate do soldado Ryan (1998)
» Náufrago (2000)
» O código Da Vinci
(2006)

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade