Publicidade

Correio Braziliense

Disco de músico norte-americano é produzido por Roberto Menescal

O renomado guitarrista Andy Timmons se juntou a Sydnei Carvalho para gravar álbum


postado em 31/01/2017 07:08 / atualizado em 31/01/2017 09:35

Harmonia: Sydnei Carvalho (E), Roberto Menescal e Andy Timmons (foto: Arquivo Pessoal/Sydnei Carvalho)
Harmonia: Sydnei Carvalho (E), Roberto Menescal e Andy Timmons (foto: Arquivo Pessoal/Sydnei Carvalho)

 

O guitarrista americano Andy Timmons, um dos maiores expoentes da guitarra atualmente, conheceu a música brasileira aos 16 anos por meio de um professor. “Ele começou a me ensinar um standard de jazz diferente a cada semana e Garota de Ipanema foi uma das canções que ele me mostrou”, lembra o roqueiro, hoje com 53 anos, ao Correio.

As harmonias, o ritmo e o balanço da bossa nova o encantaram logo de início. “Foi muito atraente para mim… A paixão, a sensualidade, a graça, a beleza, o fogo. E aquelas harmonias de jazz lindas”, conta. Anos depois do primeiro contato e do início da paixão pelo estilo, Timmons acreditou que estava na hora de gravar um disco com temas brasileiros. Em processo de finalização, a versão em CD de Bossa hits deve chegar às lojas em abril ou maio deste ano. Um DVD também será lançado no segundo semestre.

Para tirar a ideia do papel, Timmons, que mora em Dallas (Texas), convidou o amigo e guitarrista Sydnei Carvalho para acompanhá-lo em algumas apresentações no Brasil. “Estudávamos juntos também, e toda noite fazíamos uns dois ou três temas nos workshops. Foram 15 apresentações pelo Brasil, e mais ou menos no meio da tour ele me falou: ‘Está muito bom tocar contigo, vamos gravar um CD?’”, lembra Sydnei.

O brasileiro tinha assumido a tarefa de acompanhá-lo ao violão, apesar de ser essencialmente guitarrista. “Eu não tocava violão havia 20 anos. Estudei violão erudito no começo, o que foi importante para minha formação, mas virei guitarrista. Eu voltei a tocar violão para um trabalho com minha filha e minha mulher, mas tocar com o Andy Timmons em workshops era outra história”, ressalva.

Respeito
Foi do brasileiro a ideia de chamar Roberto Menescal, um dos grandes nomes da bossa nova, para a produção do disco. “O Andy estava lendo um livro sobre a história da bossa nova e sabia quem era Roberto Menescal. Ele pirou quando eu disse que tinha o contato. Não acreditou”, lembra Sydnei.  

“Ele talvez seja o melhor produtor que já trabalhou comigo. É muito fácil de lidar, mas tem uma presença poderosa e imponente. Nós o respeitamos muito e ele foi muito generoso em nos ensinar mais sobre a música e sentimento”, elogia Timmons.



Com a presença de Menescal para completar o time de trabalho, eles decidiram gravar o álbum ao vivo, em estúdio, apesar das limitações técnicas que a opção trazia. “Nós optamos por uma gravação ao vivo no estúdio porque também estava sendo também gravado um DVD, então ficou todo mundo olho no olho, mesmo que o som possa ter sofrido um pouco por não termos separado cada instrumento, ou seja foi mais emoção e menos tecnologia”, conta Menescal.

Timmons conta que tanto Menescal quanto Sydnei foram fundamentais para que ele mantivesse sua identidade mesmo tocando um estilo diferente do habitual. “Eu estava tendo uma tendência a querer soar um pouco mais jazzy, como o meu herói e enorme influência Pat Metheny (guitarrista americano). Sydnei e Menescal foram muito encorajadores para que eu fosse eu mesmo”, destaca.

“Andy tem uma cabeça bem aberta a tudo que lhe foi sugerido. Para que o resultado ficasse ‘bem bossa’, ele incorporou isso ao seu estilo de uma maneira muito natural, o que nos mostrou sua grande capacidade musical. É um craque”, comenta Menescal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade