Publicidade

Correio Braziliense

Gravadora holandesa faz coletânea com a música experimental brasileira

O cd 'Outro tempo' resgata produção nacional no período de redemocratização


postado em 25/02/2017 07:00

Os Mulheres Negras, uma das bandas incluída na coletânea(foto: Gal Oppido/Divulgação)
Os Mulheres Negras, uma das bandas incluída na coletânea (foto: Gal Oppido/Divulgação)


Há quem diga que o Brasil não tem boa memória. E há também quem considere que, muitas vezes, é preciso um olhar de fora para dar valor à produção nacional. A coletânea Outro tempo é um exemplo que dá força aos que pensam assim. O disco produzido por uma gravadora holandesa, a Music from Memory, reúne canções eletrônicas e experimentais produzidas no Brasil entre 1978 e 1992. Muitas delas, pouquíssimo conhecidas pelos brasileiros.

Entre a seleção, há nomes mais familiares, como os paulistas d’Os Mulheres Negras, de André Abujamra e Maurício Pereira, mas também outros praticamente desconhecidos, como Luli e Lucina, Cinema, Anno Luz e Andréa Daltro. A ideia da coletânea é mostrar como, em um processo de abertura democrática, havia um grupo de músicos no país que misturava influências de vanguardas estrangeiras, elementos da cultura brasileira e experimentalismo.

O responsável por selecionar essas canções e apresentar esse recorte da música experimental nacional produzida nesse período foi o DJ  holandês John Gómez. Colecionador de vinis, ele começou a se interessar pela música brasileira ao encontrar um disco de Maria Rita Stumpf, no Japão. A cantora foi incluída na coletânea.

“Já pensava em fazer uma coletânea sobre músicas que se encaixavam nesse perfil, mas isso se concretizou em conversas com Jamie Tiller,um dos donos da Music from Memory. Nós dois amávamos a gravação do Sexteto do Beco de Kiuá, música do Sergio Souto, e piramos quando descobrimos uma versão dela com programação de bateria eletrônica”, contou John em entrevista ao site Thump.

Indicações
Apesar de ter um extenso trabalho de pesquisa e de buscar relações entre os músicos do período e a produção deles, o DJ explicou que, no fim das contas, a escolha acabou precisando ser também muito pessoal. “Na maior parte do tempo, no entanto, eu tive que confiar nos meus próprios ouvidos, já que tinha uma ideia bem clara do tipo de som que eu procurava e muitas das indicações que eu recebia não se encaixavam bem”, disse.

No ano passado, o DJ resolveu passar 15 dias no Brasil para tentar chegar a uma versão definitiva da lista. Nesse período, ouviu boa parte dos discos independentes lançados no país nos anos 1980. A seleção acabou tendo, apesar da unidade, tipos de canções bem diversas, desde músicas muito ligadas à tradição da MPB a canções com pegada claramente mais pop.

“Acho que toda a música apresentada aqui tem uma qualidade visionária. Ainda que a seleção seja diversa, os músicos estavam se comunicando entre si e procurando inspirações comuns, em selos como o ECM, art music europeia, locais como Minas Gerais, culturas musicais indígenas... Foi essa fertilização cruzada e trabalho de colaboração que moldou a lógica que amarra essas músicas”, acredita.

 

(foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)

Outro Tempo: Electronic and contemporary music from Brazil, 1978-1992
Coletânea. 17 faixas. Gravadora Music from memory. Disponível no SoundCloud e no YouTube.

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade