Publicidade

Correio Braziliense

Estudantes de escola pública se apresentam em Planaltina

As apresentações são resultado de três anos de ensaio do alunos


postado em 01/04/2017 07:34

O texto é uma adaptação do clássico Gata Borralheira(foto: Larissa Cardoso/Divulgação)
O texto é uma adaptação do clássico Gata Borralheira (foto: Larissa Cardoso/Divulgação)
 

 

Corações acelerados, lembranças dos ensaios e apreensão —  o primeiro ato já vai começar. Estudantes de uma escola pública de Planaltina sobem ao palco neste fim de semana, após três anos de ensaio. Por uma iniciativa do professor de artes cênicas Preto Rezende, jovens da cidade montaram o grupo Teatro de Segunda e apresentam ao público o espetáculo Maria Borralheira. As apresentações serão hoje e amanhã, sempre com duas sessões, a primeira às 18h e a segunda às 20h, no miniteatro Lieta de Ló, no Setor Tradicional da cidade.

O diretor do espetáculo, Preto Rezende, que atua há anos no cenário cultural de Planaltina, conta que o texto é uma adaptação do clássico Gata Borralheira. “Nós adaptamos o texto para uma versão nordestina. A intenção é dar uma versão mais brasileira para o espetáculo. Nesta montagem eu misturei atores novos, estudantes do Centro Educacional 01 de Planaltina e atores mais experientes. A personagem principal tem 16 anos, mas temos um ator com 33 anos, que já está conosco há um bom tempo”, destaca Preto.

A atriz Adlla Sousa, de 16 anos, dá vida ao papel principal, o da Maria Borralheira, jovem humilde e sonhadora que tem como objetivo ter uma vaquinha. Adlla conta que começou os ensaios no primeiro ano do ensino médio. “O professor abriu uma oficina de teatro e convidou os alunos quando eu estava no primeiro ano. Ele nos deu o roteiro e pediu para que escolhêssemos o papel. Durante os ensaios, ele foi avaliando se o ator realmente se adaptou àquele personagem. Eu escolhi a Maria por ser uma pessoa doce, simples, que tem poucas ambições na vida, ao contrário das irmãs. Os ensaios duraram três anos, primeiro na escola, depois no teatro”, conta a atriz.

Ausência de espaço
Preto Rezende, que interpreta Judas na Via Sacra do Morro da Capelinha na Sexta-feira da Paixão, reclama da falta de espaço para os artistas da cidade. “Nos últimos anos, alguns grupos se dissolveram por conta da falta de espaço para ensaiar. Mas também surgiram grupos novos”, destaca. O diretor não se deixou abater pelo problema e criou um teatro na própria casa, onde cede espaço para grupos de Planaltina.

O miniteatro Lieta de Ló, que recebe o nome da mãe do diretor, é palco para ensaios e apresentações do grupo Senta que o Leão é Manso, que já existe há 32 anos. A professora Isabel Cavalcanti, diretora da Companhia de Teatro Língua de Trapo, criou um espaço de ensaio no Centro de Ensino Fundamental 04.

Há sete anos o auditório da Administração Regional de Planaltina está fechado, sem previsão de reforma. Mas está em construção na cidade o Complexo Cultural de Planaltina, que deve ter um teatro com 400 lugares. O espaço público, cujas obras estão avançadas, deve ser uma alternativa de espaço para diversos grupos artísticos de Planaltina.


Maria Borralheira
Miniteatro Lieta de Ló (R. Hugo Lobo, Q.6, número 790 — Setor Tradicional). Hoje e amanhã, às 18h e às 20h. Entrada franca. Classificação livre.

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade