Publicidade

Correio Braziliense

Videodança revive Cora Coralina na juventude e na idade madura

Coreografia tem as bailarinas Angela Mognato e Izabela Beatriz como protagonistas


postado em 26/10/2017 15:25

Angela Mognatovive Cora aos 67 anos(foto: Marco Mugnato)
Angela Mognatovive Cora aos 67 anos (foto: Marco Mugnato)

 

A bailarina Angela Mognato sempre gostou da poesia de Cora Coralina, mas um verso específico, sobre como os tempos atuais são sempre melhores que os antigos, marcou a leitora. Angela leu o verso durante um momento complicado, de muito desânimo, e ficou com aquilo na cabeça, pensando como Cora conseguia ter uma perspectiva otimista do presente. “Aquilo me deu um ânimo e renovei”, conta. A partir daí nasceu Cora, uma videodança criada em parceria com a também bailarina Izabela Beatriz e direção da coreógrafa Vann Porath. O trabalho será lançado nesta quinta (26/10) no Teatro Mapati em apresentação gratuita para o público e deve ser disponibilizado em algum canal na internet após um segundo lançamento, ainda sem data prevista.


No vídeo, Angela e Izabela interpretam duas fases da vida de Cora Coralina, sempre com base na ideia de tempo e da ligação da poeta com a natureza. Izabela vive Cora aos 20 anos e Angela, aos 67. “Os livros e as poesias são muito bonitos, muito selvagem, e sempre inspirado na natureza, então dançamos na água, na terra, nas pedras”, conta Angela. Cora saiu de casa aos 21 anos, quando a primeira década do século 20 ainda não permitia às mulheres independência de tipo algum. Foi ousada, queria viver um grande amor. Mas foi apenas aos 67 que ela retornou à cidade natal, a então Vila Boa de Goiás, hoje Cidade de Goiás. Na maturidade, foi ser doceira. E são esses dois momentos que as bailarinas interpretam na videodança. “A gente articulou esses dois lugares dessa história”, conta Izabela. “É um pouco de Cora Coralina nesse encontro de história entre passado e futuro.”


Para criar a coreografia, as bailarinas e a diretora fizeram um processo de imersão no mundo de Cora. Primeiro, da dupla experimentou inserir materiais como terra e água nos ensaios no apartamento de Angela. Depois, elas foram para Cidade de Goiás, terra de Cora, para vivenciar um pouco da natureza que cercou a vida da escritora. Para as gravações, o local escolhido foi a reserva ecológica Paraíso na Terra, pertencente ao Instituto Teosófico de Brasília (ITB). “É um lugar de natureza exuberante e tem montanhas, cachoeira, caminho de terra, pedra, tudo que a gente precisava”, avisa Angela.


A coreografia também nasceu das experimentações e da interação entre as duas bailarinas. Durante os ensaios, a coreógrafa tentou extrair a emoção da dupla em relação aos versos de Cora. Além de ler as poesias, elas passaram a anotar o que sentiam para poder levar as ideias para a dança. “Vann partiu da ideia de que quem vai dirigir a dança é a memória dos bailarinos. Ela fazia a gente escrever o que estava sentindo, então tem muito de mim e da Izabela ali, além da leitura dos poemas e da escuta da poesia, de ouvir o que o personagem está querendo dizer”, conta Angela.

 

Videodança Cora

Com Angela Mognato e Izabela Beatriz. Direção e coreografia: Vann Porath. Lançamento nesta quinta (26/10), às 19h, no Espaço Cultural Mapati (707 Norte, Bloco K, Casa 5)


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade