Publicidade

Correio Braziliense

Shoppings se tornaram importantes locais de espetáculos

Comodidade e conforto são alguns dos fatores citados como pontos positivos


postado em 31/10/2017 07:10 / atualizado em 03/11/2017 18:20

A Cia. de Comédia Setebelos está em cartaz no teatro do Brasília Shopping com aposta de mais público para a gravação de um DVD(foto: Cia.Setebelos / Divulgação)
A Cia. de Comédia Setebelos está em cartaz no teatro do Brasília Shopping com aposta de mais público para a gravação de um DVD (foto: Cia.Setebelos / Divulgação)
 
 
Em outras capitais brasileiras —como Rio de Janeiro e São Paulo —, a presença de espaços para realização teatral nos shoppings é quase certa, e Brasília parece seguir esses passos com sua própria referência das artes cênicas nesses locais. Mais do que uma ferramenta dos centros comerciais para atrair clientes, profissionais do ramo defendem que opções de espaços de apresentação em shoppings ajudam as peças a finalmente chegar a um considerável número de espectadores. Já os empresários dos centros comerciais apostam na maior comodidade entre diversão e compras para os clientes.

“A grande verdade, que até tentamos evitar, é que o público de teatro de Brasília tem sido cada vez menor. Nos shoppings, pelo menos, as pessoas percebem o teatro em um passeio qualquer e acabam indo para as apresentações.” A posição é de Elisa Mattos, que foi produtora do espetáculo Sexo aos 60, apresentação que trouxe aos palcos o teatrólogo Alexandre Ribondi, no começo do ano, no Brasília Shopping.

Ainda segundo Elisa, as apresentações em centros comerciais também foram viáveis para seu espetáculo de forma financeira, já que não paga a “pauta”, valor atribuído ao aluguel do espaço, que, de acordo com a produtora, varia entre R$ 600 e R$ 700 por apresentação em outros locais. “Isso é mais importante ainda para as companhias pequenas, porque, se forem para outro lugar, têm de pagar”, apontou a produtora.

Já Oliver Oliveira, um dos responsáveis pela Cia. Encantados, que se apresenta semanalmente no Shopping Iguatemi, trabalhando essencialmente com espetáculos infantis, explica quais são as principais diferenças entre um local público de apresentação teatral e um centro comercial. “Acho que as diferenças são muitas. Entre elas está o fato de que as peças nos shoppings têm um apelo mais de diversão, e nas escolas pode ter uma pegada mais pedagógica”, sustenta o autor, que ainda completa: “Um local não deve excluir o outro, o que o shopping faz é dar mais opção”.

Daniel Villas Bôas, um dos comediantes da Cia. Setebelos que se apresentam pela primeira vez com o espetáculo Comedy Flix, no Brasília Shopping, indica que atrair mais público é um dos principais motivos para levar os palcos até esse espaço. “A gente escolheu o local por conta da localização e da alta rotatividade de pessoas, que estão passando”, comentou Villas Bôas, que ainda completou: “Os shoppings são mais uma opção para a cena, e, quanto mais cena, melhor”.

Conforto

Para Iara Rocha, gerente de marketing do Iguatemi, a presença dos espaços teatrais dentro dos shoppings faz parte de uma realidade há mais de uma década. “É uma ação que vem se aperfeiçoando nos últimos 10 anos, quando os shoppings entenderam que precisavam investir na comodidade dos clientes, que querem um espaço de convivência familiar”, afirmou. O shopping tem uma estrutura fixa de teatro com espaço para 200 pessoas na Livraria Cultura.

Para a explicação sobre o porquê de os shoppings estarem investindo mais na presença teatral em seus espaços, a gerente de marketing do shopping Boulevard, Luana Peixoto, sustentou: “É notória a falta de espaços culturais em Brasília, o que faz com que os shoppings se tornem os maiores polos nesse segmento”. O centro comercial tem uma estrutura itinerante, e atualmente apresenta exclusivamente peças infantis.

Com espaço fixo para 100 pessoas, o Brasília Shopping, por meio da assistente de marketing, Ana Cristina Saraiva, lembrou que a criação do espaço foi realizada pela grande demanda que já acontecia previamente com uma estrutura itinerante. “Nós estamos com o espaço há sete anos, o público do teatro foi aumentando e decidimos implantar um local fixo”.

Comodidade. Essa é a principal razão que Karine Câmara, gerente de marketing do Pátio Brasil encontra para explicar a presença do teatro nos centros comerciais. “Nosso objetivo é fazer o público ter tudo que ele precisa dentro do shopping, inclusive a diversão teatral”, explica. O shopping tem uma estrutura móvel para as apresentações.

Luiza Antonelli, assistente de marketing do Shopping Pier 21 indicou que o espaço também apostou na comodidade, tendo em vista uma nova forma de as pessoas se relacionarem com os espaços. “Indo ao shopping o cliente tem a possibilidade de passear, se divertir, comprar e até resolver problemas. Eles se tornaram mais do que um centro de compras, é um local de encontro e diversão.”

*Estagiário sob supervisão de Igor Silveira

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade