Publicidade

Correio Braziliense

Mostra Dulcina oferece 26 atrações teatrais até 23 de dezembro

Com entrada franca, no Setor de Diversões Sul, atrações internacionais são apresentadas em dois horários, num circuito apreciado por estudantes e pelo público em geral


postado em 30/11/2017 07:40 / atualizado em 30/11/2017 17:45

Te amo com loucura, uma atração internacional, encerrá o evento, em 16 de dezembro(foto: Mostra Dulcina / Divulgação)
Te amo com loucura, uma atração internacional, encerrá o evento, em 16 de dezembro (foto: Mostra Dulcina / Divulgação)

 
Depois de importantes mudanças e grandes conquistas em 2017, a Faculdade de Artes Dulcina de Moraes dá continuidade às suas atividades artísticas e preenche os palcos do local com teatro de qualidade e gratuito na 26ª Mostra Dulcina. A edição atual conta com 26 atrações, entre elas, o espetáculo internacional Te amo com locura, com direção de Orlando Alfonso, que encerra as apresentações do projeto e abre um rico diálogo entre artistas brasilienses e a criação cênica argentina. 

A programação vai até 23 de dezembro e conta ainda com uma instalação de videodança e exposição de trabalhos das turmas de artes visuais da instituição. Te amo con mi locura, uma coprodução entre o grupo venezuelano/argentino Kebebasan e a Cia. Fábrica de Teatro, do DF, conta a história de um conflito homoafetivo através da mistura de linguagens em cena, em uma combinação de teatro e dança. 

No enredo, um jovem sequestrado e preso num depósito se convence de que seus repressores se equivocaram de vítima. O que ele não espera é que o sequestrador seja seu melhor amigo, que numa atitude desesperada faz uma última tentativa de que ele compreenda seus sentimentos e posicionamentos.

Essa é a primeira vez que a mostra recebe um espetáculo internacional e cria a possibilidade de expandir o alcance do projeto. Silvia Paes, diretora acadêmica da instituição, destaca que a iniciativa possibilita que o espaço se abra também para apresentações de grupos profissionais e de outros pontos de criação do DF.

A professora lembra a importância da Faculdade Dulcina, que conta ainda com cursos de extensão, como o detTeatro do oprimido, teatro infantil e iva a vida (teatro para os mais vividos). Para ela, os trabalhos realizados ali, no coração da cidade, firmam o diálogo com a comunidade e com situações correntes no qual cada artista pode e deve se posicionar.

 “No meio de tanta instabilidade sobre a situação da Instituição e sua permanência como uma escola de formação de arte-educadores, a realização da mostra prova que o rigor. No ensino e na prática continua firme. Além disso, os trabalhos sendo gratuitos oferecem um diálogo com a comunidade de maneira mais democrática”, destaca Silvia.

Na mostra, são trabalhados linguagens e temas diversos, que vão do clássico ao contemporâneo, da história ao momento atual. A ideia é oferecer um espaço no qual as pessoas possam ser plateia e protagonista, ao mesmo tempo, de temas que exigem, no dia a dia, compreensão, reflexão, respeito, tolerância e manifestação acima de tudo. 

Criada em 1980, a Faculdade Dulcina lançou, no mercado teatral de Brasília, diferentes artistas que contribuem ativamente para a cultura do DF e continua a oferecer, continuamente, um importante espaço de criação e diálogo na capital.


Mostra Dulcina
Até 23 de dezembro, na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes (Conic —  Setor de Diversões Sul). A entrada é franca e os espetáculos começam entre 19h30 e 21h.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade