Publicidade

Correio Braziliense

Ordem do Mérito Cultural será concedida a 32 personalidades brasileiras

Ministro Sérgio Sá Leitão vai reconhecer o talento e a importância de nomes como a escritora Ana Miranda e a cantora Dona Onete


postado em 19/12/2017 06:30

 

Sérgio de Sá Leitão: custos reduzidos, nomes de peso(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Sérgio de Sá Leitão: custos reduzidos, nomes de peso (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

Criada em 1995 para reconhecer a importância e as contribuições de artistas, grupos e iniciativas para a cultura brasileira, a Ordem do Mérito Cultural será concedida a 32 personalidades e instituições na noite de hoje, em cerimônia no Palácio do Planalto, que contará com a presença do presidente Michel Temer.

A honraria será entregue aos homenageados pelo próprio presidente e pelo ministro da Cultura (MinC), Sérgio Sá Leitão. Neste ano, a premiação privilegiou, segundo o ministro, nomes e iniciativas ligadas à economia criativa e ao empreendedorismo na área cultural.

“A escolha do tema foi justamente para valorizar essa ideia da economia criativa e dos empreendedores culturais e valorizar principalmente a contribuição que o setor dá para a geração de renda, de empregos e para o desenvolvimento do país”, justificou o ministro em entrevista ao Correio.

Neste ano, o ministério optou, pela primeira vez, por não fazer uma homenagem individual, além das concessões da Ordem. No ano passado, a cantora e compositora Dona Ivone Lara, um dos principais nomes do samba no país, recebeu o destaque.

Segundo o ministro, a ideia é justamente reforçar o valor e a importância do prêmio como um todo. “Decidimos, então, no início do processo, não fazer essa homenagem individual e preferimos um reconhecimento geral aos empreendedores culturais do Brasil”, explicou.

Processo de escolha

A seleção se deu em diversas fases. A primeira delas foi a indicação popular. Por meio do site do MinC e das redes sociais, a sociedade civil pôde indicar nomes que mereceriam receber a honraria. Centenas de personalidades foram indicadas e os nomes foram levados, então, para Comissão Técnica da Ordem do Mérito Cultural. A comissão é formada por titulares de diversas secretarias do MinC e decidiu se as personalidades estavam aptas ou não.

Depois disso, os nomes que poderiam ser escolhidos foram encaminhados para o Conselho da Ordem do Mérito Cultural, que é formado pelos pelos ministros da Cultura, das Relações Exteriores, da Educação e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

O conselho fez a seleção final, com os 32 nomes, e os enviou para que Temer avaliasse. As indicações, segundo o ministro Sérgio Sá Leitão, foram aprovadas integralmente.

Neste ano, o processo e a solenidade custaram cerca de R$ 546 mil reais, quase a metade do custo do ano anterior, que foi de mais de R$ 1 milhão. “Fizemos corte no número de homenageados e reduzimos o custo da cerimônia, neste ano organizada por nós mesmos, sem uma direção artística externa”, disse o ministro.

As honrarias são divididas em três categorias, em ordem de importância: Grã Cruz, Comendador e Cavaleiro.

Símbolo

Para o ministro Sérgio Sá Leitão, a Mãe Neide Oyá D’Oxum representa a ideia principal dos homenageados nesta edição. Ela seria símbolo, mesmo que de maneira menos óbvia, da economia criativa e do empreendedorismo na área cultural. Mãe Neide é uma líder religiosa negra alagoense que teve participação em diversos projetos de inclusão que promovem cultura, educação e saúde no nordeste brasileiro.

“Ela é de União de Palmares, em Alagoas e tem também um restaurante chamado Baobá Raízes e Tradições. Desenvolveu uma culinária de inspiração africana e quilombola. O restaurante fica perto do Parque Memorial Quilombo dos Palmares. Ela tem um componente cultural em relação à tradição, à história, à gastronomia e também ao empreendedorismo”, observa o ministro.  

No evento de hoje, apresentam-se o grupo Galo da Madrugada (também homenageado), a orquestra Soncietà, e o coral Tutti Choir. O mestre de cerimônia será o ator Jorge Pontual (que esteve recentemente na novela e no filme Os dez mandamentos).



Alguns homenageados


Ana Miranda
A escritora que nasceu em Fortaleza, mas cresceu no Rio e em Brasília, tem mais de trinta livros publicados e foi reconhecida nos principais prêmios literários do país, como o Jabuti. Ela foi também editora da Funarte entre 1977 e 1983.

Renato Aragão
Um dos mais celebrados humoristas brasileiros, Renato Aragão ficou imortalizado como o personagem Didi. O ator de Sobral (CE) foi um dos criadores d’Os Trapalhões e responsável por diversos filmes e programas da tevê brasileira.

Dona Onete

Conhecida como “diva do carimbó chamegado”, Dona Onete é uma cantora e compositora paraense que tem no currículo diversas turnês internacionais e shows Brasil afora. Ela iniciou a carreira aos 72 anos. Hoje, Dona Onete tem 78.


Pierre Mantovani
CEO do grupo Omelete, principal conglomerado de cultura pop do país, Pierre é o idealizador da Comic Con Experience (CCXP). O evento é o maior da indústria do entretenimento do país e reúne marcas, produtores, artistas e fãs.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade