Publicidade

Correio Braziliense

Detran elogia Anitta por clipe de 'Vai malandra'

"Malandra que é malandra só vai de capacete", disse o órgão em uma publicação no Facebook


postado em 19/12/2017 16:26 / atualizado em 19/12/2017 16:40

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

 
Lançado nessa segunda-feira (18/12), o mais novo clipe da cantora Anitta, Vai malandra, conquistou milhares de fãs. Em pouco mais de 24 horas, o vídeo já havia sido visto mais de 16 milhões de vezes. E parece que a produção agradou também o Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran-RJ). Pelo menos um trecho específico: aquele em que Anitta coloca o capacete para subir em uma moto.
 

Em uma postagem no Facebook, a autarquia elogia a cantora pela atitude. "Malandra que é malandra só vai de capacete", diz o órgão, em referência ao nome da canção. Até a tarde desta terça-feira (19/12), a publicação já havia sido curtida mais de 300 vezes.
 
 

Com imagens gravadas no Morro do Vidigal, no Rio de Janeiro, o clipe de Vai Malandra conta com looks ousados e a participação dos brasileiros MC Zaac, DJ Yuri Martins, Tropkillaz e o rapper norte-americano Maejor. 

Diferentemente das outras músicas que integram o projeto Check Mate — cuja ideia era lançar um clipe por mês a partir de setembro —, Vai malandra remonta as origens da cantora e traz a ideia por trás do 'funk ousadia', com lírica baseada no erotismo e de conotação sexual. Vai malandra ainda possui letras com partes em inglês e português. 
 
 
 
Anitta fez sucesso no Brasil cantando funk melody, subgênero que possui letras mais suaves e batida lenta e eletrônica. Seu primeiro sucesso, Show das poderosas, lançado em 2013, segue esta lógica estilo e foi um divisor de águas na carreira da artista. Desde que surgiu, Anitta lançou um disco autointitulado, Ritmo perfeito (2014) e Bang (2015).

A música encerra o ano de Anitta que começou com o lançamento da música Você partiu meu coração, parceria com Nego do Borel e Wesley Safadão. Em abril, Anitta lançou a parceria internacional Switch, com a rapper australiana Iggy Azalea. Um mês mais tarde, ela se aventurou pelo reggeaton com Paradinha, música em espanhol com clipe gravado em Nova York. 

A partir do início do projeto Check Mate, Anitta lançou as músicas Will I see you, com Poo Bear, em uma pegada mais melódica com base na bossa nova e na música romântica. Com o DJ sueco Alesso ela lançou Is that for me. O clipe, que teve como cenário a floresta amazônica, traz Anitta se divertindo ao som da música eletrônica. O último lançamento, Downtown, foi gravado com o colombiano J Balvin, sucesso da música internacional com o hit Mi gente
 

Censura

Em uma das cenas do clipe, a cantora aparece sentada em uma moto com a placa amarela com os dizeres ''ANT 1256'' em destaque. O número em questão se refere ao projeto de lei que quer criminalizar o funk no Brasil, proposto pelo empresário paulista Marcelo Alonso, encaminhado à CDH (Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa) com 20 mil assinaturas favoráveis. 

Defensora do funk como expressão da cultura brasileira, Anitta já havia se indignado com a proposta e se pronunciado sobre o assunto. "O funk ajuda uma parte da sociedade que não tem oportunidade de nada. Eu vim da favela e não é todo mundo que consegue, assim como eu. Para você ter uma vida diferente dentro do que está naquele espaço, não tenho palavras para descrever, mas não tem oportunidade. Um funkeiro hoje, que canta em um baile de favela, ele consegue gerar emprego para ele, para o motorista, para o DJ, o produtor, duas bailarinas e para o empresário. São no mínimo sete pessoas trabalhando e ganhando dinheiro com o funk", disse ela durante participação no Programa do Bial. 

"Tá tudo ok com o Brasil já? Achei que tivesse coisa mais séria para se preocupar do que com um ritmo musical que muda a vida de milhares", escreveu, em seu Twitter. E também mandou recado: ''Não mexe com quem tá quieto. Ou melhor, não mexe com quem tá se virando pra ganhar a vida honestamente diante de tanta desigualdade''. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade