Publicidade

Correio Braziliense

Exposição de Basquiat vem a Brasília para celebrar o aniversário da cidade

Mostra no CCBB vai reunir 80 obras de Basquiat a partir de 21 de abril


postado em 20/12/2017 14:15 / atualizado em 20/12/2017 14:26

Flash in Naples, tela pintada em 1983 em acrílico e óleo (foto: The Estate of Jean-Michel Basquiat. )
Flash in Naples, tela pintada em 1983 em acrílico e óleo (foto: The Estate of Jean-Michel Basquiat. )
 

 

Ícone da street art e do grafite, o artista Jean-Michel Basquiat vai ganhar exposição em Brasília. O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) traz para a cidade, a partir de 21 de abril de 2018, uma exposição retrospectiva do artista. Com curadoria do holandês Pieter Tjabbes e produção da empresa Art Unlimited, a mostra reúne mais de 80 obras de Basquiat e passa primeiro pelo CCBB de São Paulo, onde estará em cartaz a partir de 25 de janeiro.

As obras pertencem à coleção da família Mugrabi, proprietária de um dos maiores acervos privados de Basquiat no mundo. O artista ficou conhecido por dar início ao movimento da arte de rua no mundo. Em Nova York, onde morava, preenchia paredes e grafitava vagões de metrô com as iniciais SAMO, abreviação de “Same old shit”, expressão em inglês para “a mesma merda de sempre”. O artista ainda era adolescente quando começou com os grafites e desenhos.

 

Untitled (Yellow Tar and Feathers), de 1982: mistura de técnias como papel, colagem, madeira e crayon marcaram a obra de Basquiat(foto: The Estate of Jean-Michel Basquiat. )
Untitled (Yellow Tar and Feathers), de 1982: mistura de técnias como papel, colagem, madeira e crayon marcaram a obra de Basquiat (foto: The Estate of Jean-Michel Basquiat. )

 

 Exposição celebra aniversário

 

Basquiat morreu jovem, em 1988, aos 27 anos, e representou como poucos o clima de decadência da Nova York dos anos 1970 e 1980. Descendente de imigrantes haitianos, foi incentivado nas artes desde cedo, mas saiu de casa e chegou a viver como sem teto. Boa parte de sua produção é inspirada nas ruas, que frequentava desde pequeno, especialmente o Brooklin, bairro no qual cresceu. Trabalhava com colagens de papel e pinturas e era conhecido por sempre escrever palavras de protesto e crítica em suas produções. Ele chamou a atenção de Andy Warhol, um dos responsáveis por inserir o nome de Basquiat no mercado de arte. Durante um tempo, os dois artistas chegaram a trabalhar juntos e a realizar parcerias em obras e performances. O uso de materiais simples era uma marca do artista. Segundo o curador, as obras do artista sintetizam o clima cultural da cidade na época.  Nos anos 1980, ele chegou a ter uma banda e seus trabalhos marcaram a comunidade LGBT novaiorquina. A exposição vai circular por quatro capitais. Em Brasília, a mostra chega no dia do aniversário de 57 anos da cidade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade