Publicidade

Correio Braziliense

Liniker e Johnny Hooker lançam clipe para a música 'Flutua'. Assista!

O single ganhou um clipe em forma de manifesto contra a homofobia


postado em 27/12/2017 15:00 / atualizado em 27/12/2017 15:19

Liniker e Johnny Hooker apresentaram a música 'Flutua' em apresentação no Rock in Rio 2017(foto: Divulgação/I Hate Flash)
Liniker e Johnny Hooker apresentaram a música 'Flutua' em apresentação no Rock in Rio 2017 (foto: Divulgação/I Hate Flash)

 

Os cantores Johnny Hooker e Liniker lançaram o clipe do single Flutua. O vídeo reforça o manifesto contra a homofobia presente na letra da música e nas carreiras de ambos os cantores. Quem protagonizou a história foi Jesuíta Barbosa e Maurício Destri, que vivem um casal homossexual que passa pelos desafios de permanecerem juntos em uma sociedade homofóbica.

 

E existe um fator que agrava e agrega mais emoção à trama: o casal é surdo e precisa passar pelas limitações da deficiência também. Em uma cena, o casal se despede e, enquanto um se vira para ir embora, o outro apanha de um grupo de homofóbicos e não pode ser socorrido pois o parceiro não escuta o perigo.

 

A música já desmonstrava o intuito de manifesto político desde a capa do single, lançada em julho deste ano, na qual Johnny Hooker e Liniker se beijam. O ato se repetiu no palco do Rock in Rio durante apresentação da dupla, quando foram ovacionados pelo público.

O mesmo beijo, que simboliza um manifesto contra a homofobia, se repete ao final dos 7 minutos de meio de clipe. A duração e os elementos cinematográficos do vídeo dão o tom de curta-metragem.

 

Assim como na capa do single, o clipe termina com um beijo entre Liniker e Johnny Hooker(foto: Reprodução/Youtube)
Assim como na capa do single, o clipe termina com um beijo entre Liniker e Johnny Hooker (foto: Reprodução/Youtube)

 

Assista ao clipe de Flutua, música de Johnny Hooker e Liniker

 

O clipe de Flutua foi dirigido por Rodrigo Spencer, mesmo diretor do programa Mister brau, da Rede Globo, e roteirizado por Daniel Ribeiro, o mesmo do filme Hoje eu quero voltar sozinho, que já mesclava a questão da homofobia com a deficiência nos idos de 2011. A trama de Daniel conta a história de um menino cego que descobre sua sexualidade em um mundo cheio de sensações especiais proporcionadas pela cegueira.

 

Nas redes sociais, Liniker publicou cenas do making of da gravação e declarou que gravar um clipe como esse é uma vitória. "Acho que às vezes não é nem o que a dor lhe ensina, o que você tira da dor, o que a dor trás de bom, mas o que você escolhe fazer com a dor", declarou Liniker nas redes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade