Publicidade

Correio Braziliense

Plataformas digitais usam a criatividade para promover melhorias sociais

Doação de roupas e produção de conteúdo são algumas das áreas das plataformas


postado em 30/12/2017 07:30 / atualizado em 02/01/2018 15:51

A diretora editorial da Hysteria, Isabel de Luca, participa ativamente da produção de conteúdo da plataforma(foto: Priscila Noronha/ Dilvugação)
A diretora editorial da Hysteria, Isabel de Luca, participa ativamente da produção de conteúdo da plataforma (foto: Priscila Noronha/ Dilvugação)

 
Na era digital, diversas plataformas virtuais têm sido lançadas para facilitar a vida das pessoas. Desde as musicais até as de conteúdo empoderador e plataformas de apoio social, elas estão por toda a parte para mostrar que, nas mãos certas, são ferramentas funcionais e poderosas. Conheça três iniciativas virtuais com forte apelo social que avançaram em 2017.

Hysteria

Segundo o dicionário Webster, a palavra do ano de 2017 foi ‘feminismo’. Ao perceber uma demanda de uma frente muito falada mas pouco praticada, a CEO da produtora Conspiração Filmes resolveu recrutar um time de pouco mais de uma dezena de mulheres para criar um núcleo de produção de conteúdo no qual os espaços são ocupados por mulheres. A plataforma Hysteria nasceu dessa ideia, Desde novembro deste ano, materiais em vídeo, áudio e texto foram ao ar e agradaram a um público não só feminino, mas de outros gêneros, além de empresas de publicidade e de audiovisual que compraram a ideia. A diretora editorial Isabel de Luca revela que as empresas estavam de portas abertas para a Hysteria. “Elas sabem o que é, mas às vezes estão acostumadas com um status quo da sociedade, que agora é outro e a gente mostra isso para elas”, conta Isabel.

A diretora participa ativamente das coproduções e desenvolvimento de conteúdo e declara que a plataforma é como uma rede. “se não funcionamos como uma rede de apoio, curadoria e colaboração, não conseguiremos progredir”.
 
E estão progredindo: em cerca de dois meses no ar, a plataforma conta com milhares de visitantes que interagem e e consomem materiais desde podcasts com grandes atrizes como Deborah Bloch e Carolina Dieckman como vídeos de Maria Ribeiro falando desde casamentos até sobre a Coreia do Norte.

A cantora Letícia Novaes, a Letrux, gravou um clipe-manifesto para inaugurar a plataforma. Assista:

 

Nordeste Lab

A NordesteLab unifica os estados nordestinos em um evento que estimula a produção audiovisual na região(foto: Azul Desiigners)
A NordesteLab unifica os estados nordestinos em um evento que estimula a produção audiovisual na região (foto: Azul Desiigners)
E mesmo os que não foram tão falados na tevê, o cinema nordestino. Uma mistura de ações virtuais e presenciais configuram o que se tornou a maior plataforma de articulação de fomento da cultura nordestina através do audiovisual no país. A NordesteLab atua primeiramente na web, onde media o contato entre cineastas do nordeste e distribuidoras, produtoras e realizadores de cinema no Brasil e no Mundo.
 
Segundo o coordenador do projeto, André Araújo, a intenção é que a plataforma se torne um repositório de produções e que as negociações e vitrines, que hoje ocorrem anualmente, em Salvador, sejam feitas através da plataforma. Além disso, a NordesteLab pretende fazer um mapeamento de profissionais na região para facilitar o acesso das empresas a essas pessoas, como um grande networking.

A plataforma atraiu, não só baianos, mas todos os outros estados para experimentar oportunidades de deslanchar na carreira. Após a veiculação do projeto com a plataforma na web, os números tanto de participantes quanto de investimentos não pararam de aumentar. Na última edição do projeto, participaram uma centena de produtoras de 9 estados brasileiros e foram investidos 24 milhões de reais em produção audiovisual nordestinas. Um crescimento notório em relação aos 2 milhões de investimento na edição anterior. André declara que o projeto abriu portas para muitas pessoas que, sem o projeto, não teriam essa oportunidade. “Nós inserimos muita gente no mercado e tornamos sonhos possíveis”, declara.

Street Store DF

A Street Store DF usa a plataforma virtual para unir pessoas em ações sociais(foto: Breno Galtier)
A Street Store DF usa a plataforma virtual para unir pessoas em ações sociais (foto: Breno Galtier)
No Distrito Federal não é diferente. As iniciativas da web ganham força nos espaços reais e transformam vidas. É o caso da Street Store, plataforma global que chegou ao DF em 2015 e realiza ações comunitárias diversas vezes no ano. Contribuintes podem doar roupas, alimentos ou dinheiro para a organização, que promove uma grande loja a céu aberto para moradores de rua ou pessoas em situação de vulnerabilidade poderem escolher produtos gratuitamente como num shopping.
 
Cada pessoa tem direito a levar até 10 peças e, além da loja, a Street Store realiza outras ações sociais durante o dia de evento, desde consultas médicas a cortes de cabelo. Os voluntários se inscrevem através da plataforma virtual e têm a oportunidade de viver um dia de muita solidariedade e boas ações. A representante do projeto no DF, Ruth Duarte, declara que a web é uma aliada do projeto que aumenta a cada ano. “Na internet, mobilizamos voluntários, parceiros e patrocinadores. Fazemos contato com comunidades que buscamos atingir e tem um potencial imenso. A internet e a solidariedade estão conectadas desde o início do projeto”.


Conheça as plataformas na web:

Hysteria
NordesteLab
The Street Store DF
 
*Estagiária sob a supervisão de Nahima Maciel 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade