Publicidade

Correio Braziliense

Os musicais estão de volta às telas do cinema

Gênero ganha impulso depois de La la land


postado em 30/12/2017 07:30

 

Com trilha sonora de Benj Psek e Justin Paul, O rei do show valoriza o gênero musical no cinema(foto: Fox Film do Brasil /Divulgação)
Com trilha sonora de Benj Psek e Justin Paul, O rei do show valoriza o gênero musical no cinema (foto: Fox Film do Brasil /Divulgação)

 

Lançado originalmente em novembro nos Estados Unidos, foi apenas em janeiro que o filme La la land: Cantando estações chegou ao Brasil. O longa de Damien Chazelle protagonizado por Emma Stone e Ryan Gosling recebeu 14 indicações ao Oscar, levando seis categorias, e foi responsável por recolocar a categoria de musicais de volta ao lugar de destaque no cinema internacional.

Mostrando que esse foi um bom ano para musicais, o clássico A Bela e a Fera ganhou nova versão em live-action que estreou em março no Brasil. Com Emma Watson e Dan Stevens, o filme revisitou músicas da animação como Belle, Something there e Beauty and the best, que ganhou uma versão com Ariana Grande e John Legend em vez de Céline Dion e Peabo Bryson, que cantaram a original da animação. O musical teve até uma música inédita: How does a moment last forever, intepretada por Céline Dion.

Mantendo o estilo em alta, estreou em 25 de dezembro deste ano o musical O rei do show, com Hugh Jackman, Michelle Williams, Zac Efron e Zendaya. O filme acompanha P.T. Barnum, papel de Jackman, um homem que cria um show estrelado por pessoas rejeitadas e consideradas bizarras.

Aproveitando-se de bons cantores, como Hugh Jackman, Zac Efron e Zendaya, a fita traz uma trilha sonora de bastante qualidade e isso tem muito a ver com os envolvidos no projeto: Benj Pasek e Justin Paul, que também fizeram as composições do elogiado La la land — Cantando estações.

O rei do show  está seguindo passos de La la land. O filme está indicado em três categorias principais do Globo de Ouro 2018: melhor canção original por This is me (uma música com um refrão chiclete), melhor filme comédia/musical e melhor ator de comédia/musical pela atuação de Hugh Jackman.

Tendência em 2018

A tendência dos musicais não parará em 2018. Já estão previstos para o próximo ano dois longas do formato que prometem fazer sucesso. O primeiro é a animação Viva — A vida é uma festa, com previsão de lançamento no Brasil para 4 de janeiro.

Já disponível nas plataformas digitais, a trilha sonora do desenho animado foi feita por Michael Giacchino, compositor que trabalhou em produções como Rogue one — Uma história Star wars (2016) e Homem aranha : De volta ao lar (2017). Em entrevista ao CinemaBlend, ele falou dos desafios de unir música e história, principalmente, em uma produção que tinha como foco a cultura mexicana: “Manter a autenticidade e aquele feeling enraizado no mundo que estávamos narrando foram os desafios. Mas foi muito prazeroso poder observar e pensar nas diversas maneiras e instrumentos que eu poderia usar, coisas que normalmente não usamos na composição de uma trilha”.

Encerrando a trilogia, o terceiro filme da franquia, A escolha perfeita, chega aos cinemas em março. Com direção de Trish Sie, a atração tem no elenco dois nomes ligados à carreira musical, Anna Kendrick e Hailee Steinfeld, além de uma história que promete muitas canções de sucesso: o longa acompanha a vida do grupo de cantoras à capella Bella Bardens.


Clássicos

Os miseráveis

» Lançado em 2012, o filme protagonizado por Hugh Jackman, Russel Crowe e Anne Hathaway se inspira no musical homônimo da Broadway. Na época em que foi lançado, o longa levou sete categorias no Oscar, entre elas melhor mixagem de som e o principal da noite, melhor filme.

Caminhos da floresta

» Há dois anos, outro clássico ganhou uma adaptação cinematográfica em formato de musical. Foi Caminhos da Floresta que trouxe Meryl Streep, James Corden, Emily Blunt e Anna Kendrick revivendo contos de fadas em outros formatos.

Frozen
» De janeiro de 2014, a animação, que ganhou o subtítulo Uma aventura congelante no Brasil, é outro exemplo de produção que se destacou pela trilha sonora. O sucesso foi tanto que Let it go, interpretada por Idina Menzel, bateu diversos recordes e ganhou uma versão comercial com Demi Lovato.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade