Publicidade

Correio Braziliense

Rabino americano compra anuncio de jornal para atacar cantora

O material critica o cancelamento do show que a artista Lorde faria em Israel, em junho


postado em 01/01/2018 13:48 / atualizado em 01/01/2018 14:10

 

 

Lorde cancela shows em Israel e é acusada de antissemita por rabino(foto: Frederick M. Brown)
Lorde cancela shows em Israel e é acusada de antissemita por rabino (foto: Frederick M. Brown)


No último dia de 2017, o renomado jornal Washington Post amanheceu com um anúncio inusitado. O material acusava a cantora Lorde e a Nova Zelândia, país de origem da artista, de serem intolerantes e antissemitas. A ação é uma represália à cantora após ela desmarcar um show que faria em Israel. A artista, ganhadora do Grammy, desistiu da apresentação que faria em junho de 2018 em Tel Aviv ainda no final de 2017. A decisão veio depois de uma carta aberta escrita por dois neozelandeses na qual argumentam que o show demonstraria apoio à ocupação israelense à Palestina. "Eu discuti muito com pessoas de diversos pontos de vista e acho que a decisão certa, nesse momento, é cancelar o show", disse nas redes.

 

Anúncio

 

No anuncio publicado no Washington Post, as críticas vão tanto contra Lorde, quando contra seu país de origem, a Nova Zelândia. "Lorde e Nova Zelândia ignoram ataques da Síria contra Israel", estampa a página. Ainda no texto é possível ler: "Lorde se juntou a um movimento antissemita global, mas se apresentará na Rússia, apesar do apoio de Putin ao genocídio na Síria" O responsável pelas acusações seria o rabino americano Shmuley Boteach, que já se envolveu em outra polêmica similar, quando, em 2015, criticou Susan Rice, assessora de segurança nacional do governo do ex presidente Barack Obama, de se fazer de cega para o genocídio ruandês, em 1990, quando trabalhava para o então presidente Bill Clinton.

 

Polêmica

A polêmica em torno do assunto é grande e já fez grandes inimigos. No começo do ano passado, o grupo de rock Radiohead não levou em conta as críticas à apresentação no local e realizou o show em Israel. Em consequência, Roger Waters – ex-vocalista do Pink Floyd – foi a público tecer fortes críticas a banda britânica, acusando-a de “implacável indiferença” e “despreocupação irracional”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade