Publicidade

Correio Braziliense

Novos Baianos mostram, em DVD, que ainda mantêm o vigor da década de 1970

O show dos Novos Baianos registrado em DVD foi apresentado em Brasília, no Ginásio Nilson Nelson, em 1º de julho de 2017, e assistido por plateia de 10 mil pessoas.


postado em 06/01/2018 07:00

Músicas dos Novos Baianos ainda encantam várias gerações(foto: Carolina Vianna/Divulgação)
Músicas dos Novos Baianos ainda encantam várias gerações (foto: Carolina Vianna/Divulgação)

 

Quando foram convidados para se apresentar na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em maio de 2016, os Novos Baianos imaginaram que fariam apenas aquele show, para celebrar a reabertura do mítico espaço cultural de Salvador. Mas a repercussão foi tão grande que logo a banda passou a receber convites vindos de várias partes do país.

Baby do Brasil convenceu os companheiros a levar adiante aquele reencontro. Logo em seguida, eles foram para a estrada com uma turnê que os levou a diversas cidades brasileiras. Até que, em 17 de março de 2017, na casa de espetáculos Metropolitan, no Rio de Janeiro, gravaram o DVD Acabou chorare —  Novos Baianos se encontram.

Produzido pela Conspiração Filmes e dirigido por Andrucha Waddington, o DVD teve direção fotográfica de Fernanda Young e cenário de Gringo Cardia. A gravadora é a Som Livre, a mesma do histórico Acabou chorare.

O DVD reúne clássicos registrados no LP de 1972, como A menina dança, Besta é tu, Brasil pandeiro e Tinindo trincando, a instrumental Um bilhete pra Didi e, claro, Acabou chorare. A faixa Anos 70, composta por Moraes Moreira, Luiz Galvão, Paulinho Boca de Cantor, Pepeu Gomes e Baby do Brasil, ouvida na abertura, é uma das músicas incluídas ao repertório; assim como Dê um rolê (Moraes e Galvão), gravada por Gal Costa no clássico Fa-Tal, também de 1972.

Foram incorporadas, ainda, músicas registradas em outros discos do grupo, entre elas Colégio da aplicação (Moraes e Galvão), Farol da Barra (Galvão e Caetano Veloso), Samba da minha terra (Dorival Caymmi), Na cadência do samba (Ataulpho Alves). Brasileirinho (Waldir Azevedo) e Isto aqui o que é? (Ary Barroso) fazem parte da cota da homenagem dos Novos Baianos a mestres da MPB. Já Chega de saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), soa como reverência a João Gilberto, uma espécie de guru do grupo.

Acabou chorare traz como extras os poemas Retrato pensado, declamado por Luiz Galvão, e Brasileira academia, na voz de Moraes Moreira, além de imagens de bastidores. O lançamento chega de forma especial ao Facebook, com um hand álbum, que traz conteúdo exclusivo da banda, com o objetivo de oferecer aos fãs informações que antes eram disponibilizadas nos produtos físicos —  vídeos com o olhar de cada um dos integrantes sobre músicas, letras das canções e a possibilidade de assistir a quatro faixas em 360 graus.

» Na capital
O show dos Novos Baianos registrado em DVD foi apresentado em Brasília, no Ginásio Nilson Nelson, em 1º de julho de 2017, e assistido por plateia de 10 mil pessoas.
  
» Entrevista / Moraes Moreira
 
Qual foi a proposta do Acabou chorare —  Novos Baianos se encontram?
Quisemos registrar o nosso reencontro, tendo como referência o Acabou chorare, LP clássico que lançamos há 45 anos. O DVD, porém, traz outras canções muito representativas da nossa carreira, iniciada em 1969. Obtivemos como resultado uma grande produção, feita com todo o capricho pela Conspiração Filmes, sob a direção de Andrucha Waddington. Acho que ficou clara também a nossa felicidade de estarmos juntos novamente.

Pode-se perceber que público, na gravação do DVD, além de demonstrar muito entusiasmo, se 
deixou tomar pela emoção. O que foi determinante para isso?
Fizemos um show recheado de canções clássicas, armazenadas na memória afetiva das pessoas que acompanham nossa trajetória e os novos fãs conquistados que tomaram conhecimento do nosso trabalho pela internet. Tanto na gravação do DVD, no Rio de Janeiro, quanto nos outros lugares onde o show tem sido apresentado, o clima é de emoção total.

Em Brasília os Novos Baianos fizeram o show no Ginásio Nilson Nelson, local onde se apresentaram na década de 1970. Foi perceptível, no público de 10 mil pessoas, a presença de fãs de diversas faixas etárias. Tem sido assim em outras capitais?
É algo que temos constatado em todos os lugares. Em Brasília foi emocionante ver o público fazendo coro em praticamente todas as músicas e dançando o tempo todo.

Os fãs tem se contentado em apenas assistir ao show?
Eles vão além. Muitos nos procuram depois das apresentações para fazer fotos e saber mais da vida despojada que levávamos, vivendo numa comunidade hippie, Das circunstâncias de vida de cada um de nós. E ficam sempre muito atentos ao nosso relato. Isso encanta a juventude. 
 
» Entrevista  / Baby do Brasil
Como foi contornar as divergências para que vocês se reencontrassem?
Vivemos juntos, comunitariamente, por vários anos e sobrevivíamos com poucos recursos. Tínhamos que dividir tudo. Algumas mágoas ficaram guardadas. Para que nos reencontrássemos, precisamos superar as divergências. Há um versículo bíblico que diz: “A semeadura é opcional, mas a colheita é obrigatória”. Estamos finalmente no tempo da colheita.

Na sua avaliação, o que leva os jovens curtir as músicas do grupo?
Acredito que tem a ver com a qualidade da música encontrada em nossa obra. Fomos revolucionários quando, ainda no início da carreira dos Novos Baianos, ao misturar elementos do samba, do choro, da MPB com o rock. Ouvíamos, ao mesmo tempo, Dorival Caymmi, Ary Barroso, Assis Valente, João Gilberto, Beatles, Jimi Hendrix e Janis Joplin.

Que sensação provoca em você ouvir o público cantar junto todas as músicas do show?
É algo indescritível perceber que aquelas canções que faziam sucesso na década de 1970 continuam atualíssimas e emocionando as pessoas.

Você, que ao lado dos seus companheiros de banda, sobreviveram aos anos de chumbo, do período da ditadura militar, como vê o Brasil atual, envolto a problemas de toda ordem?
Vivemos um tempo de faxina, de limpeza. Temos que reagir diante de tanta corrupção e desfaçatez. Mas tenho fé que vamos superar tudo isso e construir um novo Brasil nova nação. Nas próximas eleições precisamos ficar atentos, e não permitir que sejam eleitas figuras que tanto mal causam ao país.
 
 
Acabou Chorare – Os Novos Baianos se Encontram
DVD do grupo com 22 faixas. Lançamento da Som Livre. Preço sugerido: R$ 29,90. CD, 22,90; kit DVD e CD R$ 44,90; e kit especial, R$ 89,90; e LP R$ 94,90. Disponível em www.solmivre.com 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade