Publicidade

Correio Braziliense

Aos 91 anos, morre o escritor e jornalista Carlos Heitor Cony

Cony, que estava internado em um hospital do Rio de Janeiro, morreu de falência múltipla dos órgãos


postado em 06/01/2018 11:34 / atualizado em 06/01/2018 12:09

(foto: Rosana Hessel/CB/D.A Press)
(foto: Rosana Hessel/CB/D.A Press)


O jornalismo e a literatura estão de luto. Morreu às 23h10 de sexta-feira (5/1), o jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, aos 91 anos, de falência múltipla dos órgãos. Ele estava internado no Hospital Samaritano, no Rio.

Membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926. Filho do jornalista Ernesto Cony Filho e de Julieta Moraes Cony, ele começou no jornalismo em 1952 no Jornal do Brasil. Atualmente, estava na rádio CBN.

Cony teve um longa carreira em redações, passando pelos jornais Correio da Manhã e Folha de S. Paulo, onde tinha uma coluna. Como escritor, lançou O Ventre, em 1958; Uma história de amor, em 1977, e Quase memória, em 1995, que vendeu mais de 400 mil exemplares. Em 2000, o escritor vencedor de três prêmios Jabuti e foi eleito para a ABL.

Leia as últimas notícias de Diversão e Arte


O jornalista, que andava muito desiludido com o Brasil, foi alfabetizado em casa. Estudou em um seminário em Rio Comprido, Zona Norte do Rio, até 1945, quando decidiu mudar de vida antes de se ordenar padre.

Cony chegou a cursar a Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil, mas também interrompeu os estudos, desta vez, para ter a sua primeira experiência como jornalista no Jornal do Brasil, cobrindo férias do pai.

O jornalista dizia ter um grande arrependimento: apoiado a queda do então presidente João Goulart, em 1964, apeado por pode por um golpe militar. À época, ele trabalhava no Correio da Manhã, que havia publicado o polêmico editorial “Basta!” contra Goulart.

Arrependido, Cony passou a se opor abertamente ao golpe. Foi preso seis vezes ao longo do regime militar. Anos depois, em um de seus depoimentos, disse: “Numa das seis prisões durante o regime militar, um coronel me perguntou por que eu escrevia tanta besteira no jornal em que então trabalhava. Dei razão a ele. Até hoje, acho que não fiz outra coisa”.

Entrevista


Depois de um acidente em 2013, em uma viagem para a Alemanha, no qual bateu a cabeça e teve um coágulo no cérebro, ficou com os movimento do lado direito do corpo comprometidos e, uma das coisas que o deixou mais chateado foi quando um cheque seu voltou porque a assinatura não batia. 

Em março de 2016, o escritor, que vivia recluso e aos cuidados de enfermeiros, concedeu uma entrevista exclusiva ao Correio, em seu apartamento na Lagoa, no Rio de Janeiro. Na conversa, às vésperas de completar 90 anos, não escondeu seu pessimismo com a vida e com o Brasil. "O país é um Frankenstein, feito de pedaços dos outros e que não tem identidade", criticou. Ele se dizia contra qualquer governo. Além da fumaça do charuto, o que mais o agradava eram as cores preta e branca. O colorido o confundia, segundo ele.

Veja a lista dos principais romances de Cony:


1958 – O Ventre
1959 – A Verdade de Cada Dia
1960 – Tijolo de Segurança
1961 – Informação ao Crucificado
1962 – Matéria de Memória
1964 – Antes, o Verão
1965 – Balé Branco
1967 – Pessach: A Travessia
1973 – Pilatos
1995 – Quase Memória
1996 – O Piano e a Orquestra
1997 – A casa do Poeta Trágico
1999 – Romance sem Palavras
2001 – O Indigitado
2003 – A Tarde da sua Ausência
2006 – O adiantado da Hora
2007 – A Morte e a Vida

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade