Publicidade

Correio Braziliense

O que fica de mensagem após os protestos no Globo de Ouro?

A 75ª edição foi histórica pelos protestos contra abusos cometidos por profissionais do cinema e da televisão


postado em 09/01/2018 07:00 / atualizado em 09/01/2018 10:17

(foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP)
(foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP)
 
 
Ao enfatizar que “dizer a verdade é a ferramenta mais poderosa de todas”, a apresentadora, atriz e maior homenageada da 75ª cerimônia do Globo de Ouro, Oprah Winfrey, soltou o verbo na noite do último domingo, dando vazão ao discurso mais enfatizado na festa: a luta pela igualdade de gêneros e contra o abuso em casos de assédios morais e sexuais. Nas palavras contundentes dela, “a era dos homens brutais chegou ao fim”.

Em piada ácida, o mestre de cerimônias Seth Meyers personificou problemas, brincando com banimento social do predador sexual Harvey Weinstein (produtor de cinema), “futuramente, a primeira pessoa a ser vaiada no velório”.

A manifestação contra a desigualdade permeou toda a premiação. Nos prêmios conquistados nas categorias televisivas, isso ficou bastante visível, principalmente, pela ênfase dos vencedores The handmaid’s tale e da minissérie Big little lies.

As atrizes Nicole Kidman e Laura Dern, que conquistaram as estatuetas de melhor atriz e melhor atriz coadjuvante por Big little lies, também aproveitaram para lembrar os casos de assédio sexual em Hollywood.

Representatividade

Protagonista de The handmaid’s tale, Elisabeth Moss ganhou o prêmio de melhor atriz em série dramática e viu o seriado se tornar vencedor da categoria de melhor série dramática. Em seu discurso, a artista também trouxe a tônica da noite que se faz presente na produção televisiva, que mostra um mundo distópico em que as mulheres perdem seus direitos e são usadas apenas como figuras reprodutoras.

“Nós não vivemos mais nos espaços em branco na borda da impressão. Já não vivemos nas lacunas entre as histórias. Nós somos a história impressa e estamos escrevendo a história nós mesmos”, afirmou Elisabeth Moss.

Esse tipo de discurso se viu também no agradecimento da atriz Rachel Brosnahan pelo prêmio de melhor atriz em série cômica ou musical, conquistada pela atuação em The marvelous Mrs. Maisel: “Essa história é sobre uma mulher corajosa, brilhante e complicada. Há tantas outras histórias assim por aí que merecem e precisam ser contadas. Então, à medida que começamos um novo ano, vamos continuar a ser responsáveis por investir e propagar essas histórias”.

O ator Sterling K. Brown, o primeiro negro a vencer a categoria de melhor ator em série dramática do Globo de Ouro, manteve o clima da noite e agradeceu ao criador de This is us, Dan Fogelman, por o ter apreciado por quem ele é. “Há uma diferença entre escolher um ator negro para um papel e escolher um ator negro para um papel escrito para um homem negro. O que eu mais gostei nisso tudo é que estou sendo visto e elogiado pelo que sou. E isso faz com que seja muito mais difícil me ignorar ou ignorar pessoas que se parecem comigo”, disse.
 
Ver galeria . 6 Fotos Casados há quase 30 anos, os astros Kevin Bacon e Kyra Sedgwick mostraram a relação sadia, sob os holofotesReprodução / Internet
Casados há quase 30 anos, os astros Kevin Bacon e Kyra Sedgwick mostraram a relação sadia, sob os holofotes (foto: Reprodução / Internet )
 
 

A força feminina

 
Ícones do feminismo ao sacramentarem as protagonistas Thelma & Louise, Geena Davis e Susan Sarandon apareceram no palco para confirmar que “não solucionaram todos os problemas que persistiram nos últimos 26 anos, desde o lançamento do filme”. Elas entregaram o troféu de melhor ator dramático (em cinema) para Gary Oldman, de O destino de uma nação. Depois de brincar com a obsessão que invadiu a vida dele, para interpretar o estadista Winston Churchill — “agradeço a minha mulher por ter aturado minhas loucuras: ela dormia ao lado de Churchill, para apenas acordar ao lado de Gary” —, o premiado lembrou da necessidade de revés social para os Estados Unidos. “Palavras e ações podem alterar o destino de uma nação, e a gente precisa de mudança”, sintetizou.

Coube à cantora Barbara Streisand destacar o melhor filme da categoria drama: Três anúncios para um crime, justamente detido numa história de desleixo das autoridades na solução de um crime violento contra uma jovem. Na pele da mãe da personagem morta, Frances McDormand conquistou o primeiro Globo de Ouro da carreira. Entregaram as estatuetas atrizes símbolo de coragem feminina, Angelina Jolie e Isabelle Huppert.

A premiação de James Franco, na pele de um perdedor em potencial na indústria do cinema (O artista do desastre) pareceu deslocada: horas depois da vitória de melhor ator cômico, Franco começou a ser contestado sobre o seu comportamento por ex-colegas, como Ally Sheedy. Premiado melhor diretor, por A forma da água, o mexicano Guillermo del Toro pareceu, por momentos, constrangido quando Natalie Portman enfatizou que a lista  de concorrentes só contemplava homens. 

Melhor atriz coadjuvante, por Eu, Tonya, Allison Janney deu força à tendência de personagens femininos em conflitos familiares, mesmo caso de Lady bird (melhor comédia e melhor atriz cômica para Saoirse Ronan). Melhor filme estrangeiro, Em pedaços, expôs outra mulher forte nas telas, a virtual sobrevivente de um ataque terrorista que matou marido e filho.

 

Campanha Time’s Up


Após uma série de denúncias no ano passado de casos de assédio sexual no ambiente hollywoodiano, atrizes e mulheres de diversas áreas do entretenimento criaram em 1º de janeiro de 2018 a campanha Time’s up, que, em tradução livre, quer dizer “o tempo acabou”.

Encabeçado por nomes como Reese Witherspoon, Nicole Kidman, Oprah Winfrey, Emma Stone, Halley Berry e Michelle Pfeiffer, o manifesto convidou aos presentes na 75ª edição do Globo de Ouro a vestirem preto contra a intolerância, discriminação, abuso e assédio, todos presentes no ambiente de Hollywood e também do mundo de modo geral.

Oprah presidente?
» A famosa apresentadora Oprah Winfrey pode concorrer à presidência norte-americana em 2020. Ela já esteve no topo da tevê, e agora pode desembocar o talento na política. De acordo com o portal Variety, três fontes confirmaram que Oprah estava disposta a encabeçar uma corrida presidencial. Os rumores foram incrementados pela participação no Globo de Ouro. Unidade, nacionalismo e esperança foram temas-chaves do discurso dela. Segundo a CNN, dois amigos próximos de Oprah afirmaram que ela estava "energeticamente considerando” a possibilidade. Mas as especulações foram mais longe ainda. O parceiro de Oprah, Stedman Graham, incendiou os rumores afirmando — junto à CNN — que, caso convidada, a ex-apresentadora “com certeza” concorreria. Oprah participou da campanha para eleger Barack Obama em 2008 e em 2012, mas se manteve longe da política nas eleições de 2016.


Quem brilhou
Saoirse Ronan: representante mais significativa entre a equipe de Lady Bird

Sterling K. Brown e o primeiro Globo de Ouro da vida, com a série dramática This is us

A turma do vencedor Três anúncios para um crime: de melhor roteirista a melhor ator coadjuvante, passando pela melhor atriz

Penelope Cruz também usou preto  para lembrar vítimas de assédio

Elisabeth Moss brilhou no tapete vermelho e na atração The handmaid’s tale
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade