Publicidade

Correio Braziliense

Projeto Clube do Choro Convida apresenta solo do violonista Marcel Powell

O evento é nesta quinta e sexta, às 21h, e não é recomendado para menores de 14 anos


postado em 11/01/2018 07:30

O filho de Baden Powell estará na cidade hoje e amanhã tocando clássicos do mestre do violão(foto: Roberto Assem/Divulgação)
O filho de Baden Powell estará na cidade hoje e amanhã tocando clássicos do mestre do violão (foto: Roberto Assem/Divulgação)


Em carreira solo há 16 anos, Marcel Powell nunca deixou de reconhecer a influência que Baden Powell exerceu sobre seu trabalho. Depois de lançar seis discos, o violonista finalmente encarou a responsabilidade realizar um projeto totalmente voltada para o legado do pai. Assim surgiu o Só Baden, álbum que saiu pelo selo carioca Fina Flor.

Hoje e amanhã, às 21h, Marcel lançará o CD em apresentações no Espaço Cultural do Choro. “Já mostrei esse show no Rio de Janeiro em alguns lugares e não poderia deixar de trazê-lo a Brasília, onde tenho recebido ótima acolhida desde o início da minha carreira. Recordo-me até da primeira vez, em 2003, quando tive a companhia do meu irmão, o pianista Phillipe Powell”, lembra o instrumentista e compositor, que desta vez estará sozinho no palco

Segundo Marcel, a possibilidade de gravar o Só Baden surgiu naturalmente. “Em shows que eu vinha fazendo em 2015, com outros músicos, priorizei temas compostos por meu pai. Para alguns, criei novos arranjos. Fui amadurecendo as ideias, até que chegou um momento em que decidi registrar aquele projeto”, explica.

O álbum, com 13 faixas, privilegia clássicos da obra do genial violonista fluminense, sendo várias delas compostas com Vinicius de Moraes – Apelo, Berimbau, Canto de Ossanha, Samba em prelúdio, Tempo feliz; além de Vou deitar e rolar, que Baden fez com Paulo César Pinheiro. Mas há também os lados B Só por amor e Vento vadio. “Na criação de alguns dos arranjos, contei com a colaboração de Daniel Migliavacca, Gilson Peranzzeta, Hamilton de Holanda e Victor Biglione, todos músicos virtuosos”, elogia.

Apuro técnico

Marcel é visto pela crítica como um legítimo sucessor de Baden – de quem foi discípulo –, pelo talento inato, apuro técnico e o nível de excelência como violonista que alcançou. No show, de formato intimista, ele aproveita para contar histórias do convívio com o pai e de como o homenageado compôs clássicos com os principais parceiros.

Antes de gravar Samba novo (2002), o primeiro disco solo, o violonista havia participado do Baden Powell e Filhos (1994) e Baden Powell Suite Afro Consolação (1997). “Depois da minha estreia com Samba novo, com a participação de Diogo Nogueira, gravado no Brasil e lançado também no Japão, fiz A bossa de Billy Blanco (2003), Aperto de mão, com produção de João de Aquino, primo do meu pai, em que gravei Noel Rosa, Nelson Ferreira, SA, Johnny Alf e Ivan Lins.

No Corda com bala, de 2009, em que gravei Tom Jobim, Lamartine Babo, João Boco, Joyce e Lenine, houve a participação de três músicos, entre eles o percussionista brasiliense Sandro Araújo. Esse CD foi lançado também no Clube do Choro. Já o Violão, voz e Zé Keti (2013), dedicado ao grande sambista, dividi com o cantor Augusto Martins. Nele, nós registramos sambas consagrados, entre os quais A voz do morro, Mascarada, Nega Dina e Opinião.

"Já mostrei esse show no Rio de Janeiro em alguns lugares e não poderia deixar de trazê-lo a Brasília, onde tenho recebido ótima acolhida desde o início da minha carreira”

Marcel Powell, 
músico

Só Baden

Show solo do violonista Marcel Powell hoje e amanhã, às 21h, pelo projeto Clube do Choro Convida, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada para estudantes). Não recomendado para menors de 14 anos. Informações: 3224-0599.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade